sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Resenha: livro "Distopia", Kate Willians

 Olá pessoal, tudo bem? O livro da resenha de hoje é "Distopia", escrito pela Kate Willians e publicado em 2015 pela Editora Arwen.

Resenha, livro, Distopia, Kate Willians, Arwen, trechos, capa

 Como o próprio título já diz, o livro é uma distopia e se passa num futuro não muito distante do nosso, onde a população é dividida entre governantes e governados. Os governados não tem acesso a tecnologia, vivem com pouco e em um lugar onde todas as casas e até as roupas são iguais e sem cor, e eles tem que entregar seus filhos aos governantes quando completam 7 anos, para que sejam treinados no Regimento, onde futuramente poderão continuar como soldados ou seguir alguma das profissões disponíveis. Os filhos de governantes podem ficar mais tempo com as famílias, mas também já nascem com seus destinos traçados e, por incrível que pareça, acabam tendo menos escolhas sobre suas próprias vidas do que os governados, os luxos a que tem direito não compensam realmente a falta de liberdade.

 Thiago é um governado, Laura é uma governante, ao longo do livro acompanhamos boa parte da trajetória dos dois até se aproximarem da vida adulta.

 "Posso ser um deles, mas meu coração não pertence a nenhum dos dois lados. Meu coração pertence à ideia de um mundo em que as leis são as mesmas para todos. A um mundo sem esse muro, sem essa divisão. - Ela pegou um pequeno e delicado lenço feito de seda de um bolso oculto em seu vestido e o usou para limpar o rosto de Thiago, molhado de suor. - Por que tentou fugir? Sabe que é impossível! Os guardas estão por toda parte! - Ela não conseguia segurar as lágrimas que escorriam livremente por seu rosto.
 - Não sei. Estou começando a achar que infelizmente a minha vontade de sair daqui é maior do que a minha capacidade de pensar." (página 18)

 Aos 7 anos Thiago teve que deixar os pais e ir para o Regimento, fez novos amigos e teve uma vida relativamente melhor em termos de roupas e alimentação, mas o treinamento não era fácil e aconteceram coisas que fizeram com que ele não suportasse mais a situação em que vivia.

 Laura era a filha do coronel: o líder do Norte (havia quatro grandes líderes), era a única garota e a caçula de cinco irmãos, todos os garotos serviam ao Regimento e para Laura era esperado um bom casamento que fortalecesse as alianças e que ela fosse uma dama, mas Laura queria mais do que isso, e não se conformava totalmente com a separação de classes.

 " - É simples, porque você é uma mocinha agora e seus irmãos são homens. Tudo é mais fácil para eles. - Laura bufou. - Além do mais, você não ia querer ser um menino. Eles são obrigados a ir embora, um a um, todos os anos. Você pode ficar com os seus pais e viver na sua casa. Eles não.
 - Mas é muito mais chato ser menina, mãe! A senhora não me deixa fazer nada. Já eles, podem fazer o que quiserem!
 - Meu amor, só quero que você seja uma dama. - A mãe acariciou o rosto da fi lha, virando-a para si. - Eu amo você, só quero o seu bem.
 - Mas e se eu não quiser ser uma dama, mamãe?  Miranda riu. Empurrando a fi lha para fora do quarto.
 - Deixe de besteira, menina! Agora vamos, seu pai já deve estar impaciente. - Laura revirou os olhos." (página 87)

 Ao longo do livro, vamos acompanhando os acontecimentos da vida de Laura e Thiago, do lado dos governantes e dos governados, até que acontece algo que desencadeia a revolução na qual Laura e o grupo de Thiago terão um papel importantíssimo, e que pode trazer consequências que eles não poderiam prever.

 " - Não só aqueles soldados. Penso que somos capazes de derrubar o Regimento inteiro.
 - Você ficou maluco, cara? Uma coisa é bolar um plano para que nos livremos do sargento, outra totalmente diferente é acreditar que poderíamos derrubar o Regimento. Cara, nós somos só vinte. Eles são
centenas. É impossível! - Ângelo encarou o amigo, incrédulo." (página 254)

 Eu li Distopia através do book tour promovido pela autora, que é parceira do blog. Os capítulos trazem sempre duas partes, uma nos dias atuais e um interlúdio, onde voltamos um pouco no tempo, alguns me confundiram um pouco mas achei essa ideia muito interessante para possibilitar que o leitor conheça mais dos personagens e da história. Achei interessante também o fato de termos dois protagonistas, possibilitando a visão de ambos os lados, embora nem ser governado nem ser governante pudesse ser algo totalmente bom, um ponto que me fez admirar mais a história.

 Como pontos negativos, eu destacaria que os fatores que levaram aquela sociedade a chegar até o ponto em que se encontrava não foram muito aprofundados nem explicitados logo de cara, a repetição excessiva da expressão "revirar os olhos" (em alguns momentos ela não era necessária para a cena e em outros ela poderia ter sido substituída por outra expressão) e o fato de algumas frases após falas continuarem na mesma linha do diálogo quando ficariam melhor em um novo parágrafo, já que já eram uma outra sequência de ações ou diziam respeito a outro personagem, talvez tenha sido para o livro não ficar muito grande em número de páginas, mas o fato é que me deixou confusa em alguns momentos sobre quem estava falando ou fazendo o quê.

 O livro é dividido em duas partes, a primeira é mais tranquila e vai nos apresentando a vida naquela sociedade e até me fez pensar se algo realmente aconteceria para mudar a situação daquelas pessoas. A segunda parte começa depois de um acontecimento que me surpreendeu bastante, e foi a partir daí que eu realmente fui capturada pela história. Para falar sobre a parte final da história, eu preciso digitar com os  dedos dos pés porque estou até agora usando as mãos para aplaudir a Kate Willians! "Uau!" é a expressão que eu usaria para descrever a leitura da segunda parte, mesmo eu tendo terminado o livro com aquela vontade de que houvessem mais algumas páginas.

 Sobre os personagens, tenho que falar sobre o Enzo, instrutor no Regimento e figura importantíssima para a trama, gostei do Thiago e do grupo de amigos dele, preciso citar o vilão super malvado e facilmente odiável que a autora criou (deu vontade de entrar no livro e quebrar a cara dele) e, por fim, a Laura, uma garota que nunca aceitou as limitações impostas para uma mulher governante.

 Achei interessante a autora tocar na questão de gêneros na história. Por que uma garota ser mandona é algo tão condenado e repreendido enquanto se um garoto é mandão é algo aceitável? Garotas são pessoas tão capazes de tomar decisões e líder quanto garotos. Apesar de ser uma situação cruel, gostei do fato de meninas governadas também terem que ir para o treinamento no Regimento.

 "- Nada disso, eu não vou ser a princesa! - Laura gritou.
 Os irmãos brincavam junto com Nelson, filho mais novo de Dona Rute, a melhor amiga da mãe.
 - Mas você é menina, precisa ficar aqui para ser salva. — Nelson, o garoto rechonchudo de olhos azuis, explicava pela terceira vez.
 - Eu quero ser pirata. Seja você a princesa! - Resmungou, irritada. Stephen riu e Nelson o olhou com cara feia." (página 107)

Resenha, livro, Distopia, Kate Willians, Arwen, trechos, capa
Resenha, livro, Distopia, Kate Willians, Arwen, trechos, capa, sinopse, A rainha vermelha

 Sobre a parte visual: há alguns detalhes na diagramação e no início dos capítulos, as páginas são amareladas e com bom tamanho de margens, letras e espaçamento, não há muitos erros de revisão. Eu gostei da capa, ela é de um material parecido com o do livro A rainha vermelha, mas é dourado ao invés de prateado como no livro da Victoria Aveyard. Falando nisso, acho que quem gostou de A rainha vermelha certamente vai gostar de Distopia também, as histórias são totalmente diferentes, mas tem um ritmo parecido. Fica a dica para quem procura uma distopia nacional!

 Detalhes: 318 páginas, ISBN-13: 9788568255094, Skoob (média de notas: 4,3/5, minha nota: 4/5)), a autora no Facebook. Onde comprar online: loja da editora.

 Por hoje é só, espero que tenham gostado da resenha. Vocês gostam de distopias? Já leram algum livro da Kate Willians?

Participe das promoções do blog:


Até o próximo post!

Me acompanhem nas redes sociais:
 twitterfacebook | G+SkoobGoodreadsBloglovin (receba os posts do blog no seu e-mail)| Instagram.

14 comentários:

  1. Esse livro <3 quero muito ler ele desde quando lançou, mas cadê a grana $$ pra mim poder comprar haha.

    Blog FTP

    ResponderExcluir
  2. Eu acho distopias bem interessante, mas não ando com ânimo para esse tipo de leitura. E esse em questão é um que não curti muito. :(

    pretty things | www.prettythings.com.br

    ResponderExcluir
  3. A autora também é parceira do blog porém desisti do BT pois estou lotada de livros.
    Mas tenho muita curiosidade.
    Beijos

    http://myself-here1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Adoro distopias então esse livro me chamou atenção!
    O universo distópico criado pela autora é interessante e me deixou curiosa para entender mais sobre essas pessoas e como elas vivem.
    Fiquei bem curiosa com a 2° parte já que você gostou tanto!
    Quem sabe não leio em breve...


    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu AMO distopias,e curti bastante a história desse.Apesar de ter achado bem parecido com a também distopia "Legend". Mas pode ser só impressão,teria que ler pra tirar minhas próprias conclusões. E sobre isso,sua resenha está EXCELENTE e me instigou bastante pra dar uma chance a essa obra.
    Adorei.
    Beijo.

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi. Eu, desde que lançou esse livro, quero lê-lo. Acho o enredo formidável, bom, os pontos 'negativos' que você citou da obra, geralmente me fazem correr um pouco, mas minha vontade de conhecer a escrita da autora é bem maior, então, assim que tiver oportunidade, vou conferir.

    ResponderExcluir
  7. Esse é genero que me ganhou, e estou com vontade d eler o livro desde a primeira vez que o vi, gostei dos seus pontos negativos, espero poder ler logo. curiosidade ta grande
    http://marifriend.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Tive o mesmo problema com a expressão "revirar os olhos". Teve uma hora que eu li tanto isso que quase me matei kkkkkk
    Acho que o livro poderia ser mais desenvolvido. Mas para o primeiro livro da autora ficou muito bom.
    Dessa mesma editora recomendo Irmandade de Copra da Caroline Defanti.
    bjs, bjs

    ResponderExcluir
  9. Oláá! Não gostei da premissa apesar de ser distópiaaaaa!
    Mas sua resenha ficou ótima!

    Beijão da Lari!
    Brilliant Diamond | Fan Page

    ResponderExcluir
  10. Oii
    Adoro Distopia. Adorei a premissa parece ser bem legal. Mesmo com suas ressalvas eu leria o livro.
    Bjus

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    A minha amiga leu essa distopia e gostou muito. Ele está na minha lista de leituras para esse ano. Tentei ler ano passado, porém não deu. Gosto muito da história que a kate fez, ela fez com que o livros não ficasse aquela distopia totalmente chata. Adorei sua resenha fofa!

    - Garotinha Adolescente!

    ResponderExcluir
  12. Nunca tinha ouvido falar nesse livro! Fico feliz em ver que esse universos de distopias também está entrando no mercado literário brasileiro! Isso é muito bom!

    E o livro parece ser bem interessante, é uma pena que no momento eu esteja meio cansada de ler distopias, mas vou adicionar à minha lista de quero ler, rs. ☺
    Beijoxs!

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Eu li esse livro quando fechei parceria com a autora, li o arquivo cru ainda. A história é interessante, mas não tem muita novidade. Queria muito ler o texto final, mas vai ficar para a próxima :/

    Beijos
    http://www.breakingfree.blog.br/

    ResponderExcluir
  14. Adorei a resenha, o livro é bem instigante, espero poder ter a oportunidade da leitura!!

    Abraços e até!!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim.
Leio todos os comentários, mesmo que nos posts mais antigos. Responderei seu comentário aqui nesse mesmo post. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados