sexta-feira, 19 de maio de 2017

Resenha: livro "A Beleza é uma Ferida", Eka Kurniawan

 Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje venho comentar sobre a minha (não muito agradável) experiência de leitura com o livro "A Beleza é uma Ferida", escrito pelo indonésio Eka Kurniawan e publicado em 2017 pela Editora José Olympio, que faz parte do Grupo Editorial Record.

Resenha, livro, A-Beleza-é-uma-Ferida, Eka-Kurniawan, jose-olympio,editora, opiniao, critica, trechos, escritor-indonesia, fotos, capa, diagramação, realismo-mágico

 "Assim, ela passou o dia inteiro amarrada na cama, estuprada continuamente." (página 226)

 A obra pertence à corrente literária do realismo mágico (ou realismo fantástico), e segue o mesmo estilo de "Cem Anos de Solidão", do ganhador do Prêmio Nobel Gabriel García Márquez. Enquanto Gabriel García Márquez optou por contar a saga da família Buendía em Macondo, Eka Kurniawan conta sobre a família de Dewi Ayu em Halimunda, na Indonésia.

 A história começa quando a prostituta Dewi Ayu, enterrada há 21 anos, retorna à vida. Ela sai da sepultura e volta para casa, seu primeiro pensamento é na quarta filha que nasceu pouco antes de ela morrer. No decorrer da história, vamos descobrir como Dewi Ayu, uma jovem de uma rica família holandesa, se tornou prostituta, por qual motivo ela foi criada pelos avós e como foi a vida de cada uma de suas filhas; conhecemos também seus netos, casos e genros. Como pano de fundo, temos a história da Indonésia: a saída dos holandeses, guerras como a Segunda Guerra Mundial e conflitos internos entre nativos e estrangeiros, além da chegada das ideias comunistas e socialistas.

"- Pobre bebê - repetiu a parteira, saindo em busca de alguém que cuidasse dele.
 - Sim, pobre bebê - concordou Dewi Ayu, mexendo-se e revirando-se na cama. - Já fiz o possível para tentar matá-la. Devia ter engolido uma granada para detoná-la na barriga. Oh, minha pobre coitadinha - os pobres coitados, como os malfeitores, não morrem tão fácil." (página 10)

 Eu não posso dizer que "A Beleza é uma Ferida" é um livro ruim, pois ele é bem escrito. O que eu posso dizer é que, para mim, não foi uma leitura de que eu tenha gostado. Se eu pudesse voltar no tempo, teria pegado outro livro para ler, e não é uma obra que eu pretendo reler.

 Até na metade do livro eu tive muita vontade de abandonar a leitura. Sabe quando você está lendo e sente que aquelas palavras estão te fazendo mal? Não estão te trazendo nada de bom ou que faça valer a pena continuar? E não há prazer nenhum em passar por cada capítulo? Era assim que eu me sentia ao longo da leitura. A segunda metade do livro foi um pouco mais tolerável.

 Me incomodou demais ver tantas cenas de estupro e de violência. Era como se o único destino das personagens femininas fosse se submeter e abrir as pernas, enquanto os personagens masculinos, por piores que fossem, assassinos, estupradores, ainda eram vistos como homens poderosos. Dewi Ayu era uma prostituta, mas se tinha uma arma apontada para a cabeça ou não tinha a opção de recusar um cliente, estava sendo estuprada sim. Um homem mais velho, teoricamente apaixonado por uma garota que não correspondia aos seus sentimentos, achava certo se casar com ela e estuprá-la, na esperança de que um dia ela viesse a gostar dele. Uma menina inteligente e estudiosa tinha que ser casada logo para estar segura. Acreditem: um rapaz já adulto apaixonado por uma garota de oito anos é a coisa mais "pura" que vocês encontrarão nesse livro.

 "Essas lutas de porcos eram muito divertidas. Os ajaks que Shodancho ainda não domesticara realmente evidenciavam enorme ferocidade no confronto com os porcos do mato. Cada porco tinha de enfrentar cinco ou seis ajaks, o que, naturalmente, não era justo, mas todo mundo queria ter certeza de que o porco morreria - não queriam um combate, mas um massacre." (página 156, "ajaks" são um tipo de cães selvagens, o que esperar de uma população que considera entretenimento ver cachorros destroçando um porco vivo?)

 O fato de voltarmos no tempo para conhecer cada um dos personagens desde o seu nascimento, por exemplo, Shodancho, um dos desprezíveis genros de Dewi Ayu, além de ter muitos personagens, acabou deixando a história cansativa e lenta em alguns momentos. A parte histórica não ficou bem clara para mim em alguns pontos, e a origem da maldição para a família de Dewi Ayu foi algo que não me convenceu.

 "- Se é verdade que um cão estuprou a minha filha - disse -, então os cães realmente herdaram o comportamento cruel dos homens." (página 412)

Resenha, livro, A-Beleza-é-uma-Ferida, Eka-Kurniawan, jose-olympio,editora, opiniao, critica, trechos, escritor-indonesia, fotos, capa, diagramação, realismo-mágico
Resenha, livro, A-Beleza-é-uma-Ferida, Eka-Kurniawan, jose-olympio,editora, opiniao, critica, trechos, escritor-indonesia, fotos, capa, diagramação, realismo-mágico

 A capa tem uma textura meio aveludada, mais macia, na orelha está que a imagem de capa, além de uma rosa, traz uma cicatriz, para mim inicialmente parecia ser uma costura numa peça de couro. As páginas são amareladas e a diagramação é simples, com letras, margens e espaçamento de bom tamanho. Não me lembro de ter encontrado erros de revisão.

 "- Não há maior maldição do que dar à luz fêmeas bonitas, num mundo de homens perversos como cães no cio." (página 11)

 Eu peguei o livro para ler por gostar de me aventurar por obras de autores de países diferentes, mas não fui muito feliz na minha escolha. Pode ter leitores que amem "A Beleza é uma Ferida"? É claro que sim! Mas não recomendo para leitores que se sintam incomodados com cenas de violência gratuita e estupro. Se quiserem conhecer o realismo mágico, recomendo mesmo "Cem Anos de Solidão".

 Detalhes: 462 páginas, ISBN-13: 9788503013055, Skoob. Onde comprar online: Saraiva, Submarino.

 Por hoje é só, me contem: já conheciam a obra ou o autor? Já pensaram em desistir de alguma leitura? Gostam de histórias ao estilo "Cem Anos de Solidão"?

Encerro o post convidando vocês para participar dos sorteios que estão rolando no blog, são muitos livros legais (tem Diário de uma escrava, Mundos Paralelos" e muito mais), clique aqui.

Me acompanhe nas redes sociais:

Um comentário:

  1. Maria!
    Triste mesmo pegar um livro por tentar conhecer novos escritores de outros países e a leitura não dar certo, parece que perdemos tempo, né?
    Fiquei imaginando o tamanho da violência que a fez ter aversão a leitura.
    Não sei se irei ler, ando preferindo leituras mais alegres, mas de qualquer jeito, conhecer novos escritores é sempre bom, né?
    Bom final de semana!
    “A sabedoria dos homens é proporcional não à sua experiência mas à sua capacidade de adquirir experiência.” (George Bernard Shaw)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim.
Leio todos os comentários, mesmo que nos posts mais antigos. Responderei seu comentário aqui nesse mesmo post. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados