domingo, 2 de julho de 2017

Resenha: livro "Belas Maldições", Terry Pratchett e Neil Gaiman

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "Belas Maldições: as justas e precisas profecias de Agnes Nutter, Bruxa", escrito pelos britânicos Terry Pratchett e Neil Gaiman, e que teve sua décima quarta edição lançada em 2017 pela Bertrand Brasil.

Resenha, livro, Belas-Maldições, Terry-Pratchett, Neil-Gaiman, Bertrand-Brasil, capa

 O que aconteceria se o filho do Diabo, cujo destino era derrotar os Céus, fosse criado na Terra sem saber de sua origem e livre da influência maligna?

Aziraphale, Crowley, belas-maldições, Terry-Pratchett, Neil-Gaiman,
Crowley e Aziraphale (fonte)
 A maior parte da história se passa na Inglaterra, onde moravam o anjo (e proprietário de um sebo em meio período) Aziraphale e Crowley, a serpente que tentou Eva no paraíso, ambos com aparência humana. Talvez vocês já tenham ouvido falar que a imortalidade é solitária, e após tantos séculos na Terra, servindo como olhos, respectivamente, de Deus e do Diabo, Aziraphale e Crowley acabaram se tornando amigos (daqueles que se encontram no tempo livre para comer alguma coisa e bater papo).

 "Mas ele o conhecia havia milhares de anos. Eles se davam bem. Quase compreendiam um ao outro. Às vezes suspeitava de que tinham muito mais em comum entre si do que com seus respectivos superiores. Ambos gostavam do mundo, para começar, em vez de vê-lo simplesmente como o tabuleiro onde o jogo de xadrez cósmico estava sendo jogado." (página 213)

 Só que a vida pacata de ambos na Terra poderia estar com os dias contados, pois, segundo profecias, o Armagedom, a luta final entre o Céu e o Inferno, iria acontecer em breve, tudo por causa do Anticristo.

 Mas, o que aconteceria se o Anticristo, o filho do Diabo, tivesse sido criado numa família humana, sem saber de sua real origem e do seu destino? Foi exatamente isso o que aconteceu, por causa de uma confusão na maternidade. Crowley deveria ter entregue o bebê Anticristo para uma freira satanista daquela maternidade, que o trocaria pelo bebê de uma família que o criaria sob as influências satânicas. Porém, ouve uma confusão e o Anticristo foi parar numa família sem ligação nenhuma com as forças infernais, sendo, inclusive, nomeado como Adam.

 De qualquer maneira, quando o Anticristo completasse onze anos, seus poderes aflorariam espontaneamente, e esse dia chegou. Como ele usaria seus dons? O fim do mundo realmente aconteceria ou Aziraphale e Crowley poderiam fazer alguma coisa? Para descobrir, você tem que ler o livro.

 "Uma turba frenética, reduzida a um estado de fúria pura pelo hábito que Agnes tinha de sair por aí sendo inteligente e curando pessoas, chegou à casa dela certa noite de abril para encontrá-la à espera, sentada com seu casaco." (página 180)

  Só uma pessoa não precisaria ler o resto da história: Anathema, uma descendente de Agnes Nutter, a última bruxa da Inglaterra, morta na Inquisição, não sem antes conseguir escrever seu livro de profecias que, quando bem interpretadas, contavam fatos que aconteceriam no futuro. Anathema, assim como seus antepassados, dedicava a vida a desvendar essas profecias, e seu caminho se cruzaria, em algum momento, com o de Aziraphale, Crowley, o Anticristo, um caçador de bruxas e tantos outros personagens interessantes criados pelos autores.

 "- Largue a arma - disse Anathema, ao seu lado - ou vou lamentar o que terei que fazer em seguida.
 Bem, é verdade, pensou ao ver o homem ficar rígido de terror. Se ele não deixar cair a arma, vai descobrir que isto é um graveto, e aí eu realmente terei que lamentar ser baleada." (página 301)

 É meio complicado para mim classificar o livro, mas creio que ele se encaixe na fantasia. Também não consigo estipular uma faixa etária para o público alvo, visto que há personagens de diferentes idades e que certamente cativarão públicos diferentes. O que me fez solicitar o livro da parceria com o Grupo Editorial Record foi a curiosidade de conhecer a escrita do Neil Gaiman, além de ter visto alguns comentários que diziam que era uma história com humor, e eu amo histórias divertidas. E eu lhes digo, é sim uma história com muitas partes engraçadas, daquelas que nos arrancam gargalhadas.

 Vi em algum lugar que "Belas Maldições" é um livro que faz humor com o sagrado, e concordo com isso, mas em nenhum momento esse humor me pareceu ser desrespeitoso. Além disso, os autores nos fazem refletir sobre o que há de bom e de ruim no ser humano, e em como podemos ou não ser influenciados por espíritos do mal. Aqui temos os Quatro Cavalheiros do Apocalipse nomeados como Morte, Guerra, Fome e Poluição. Excetuando-se a Morte, não seriamos nós mesmos culpados pelos outros três? Não seríamos capazes de impedir a guerra, extinguir a fome e acabar com a poluição?

 "E tinha um conjunto completo de Bíblias Infames, nomeadas individualmente a partir de erros tipográficos.
 Entre essas Bíblias estava a Bíblia dos Injustos, assim chamada devido a um erro do impressor que o fizera proclamar, em Coríntios 1, "Não sabeis que os injustos herdarão o Reino de Deus?", e a Bíblia dos Sem-Vergonha, impressa por Baker e Lucas em 1632, onde a palavra não foi omitida do sétimo mandamento, tornando-o: 'Cometerás Adultério.' Havia a Bíblia das Botas de Canaã, a Bíblia da Ressurreição do Lazarento, a Bíblia dos Peixes Caminhando Sobre as Águas, a Bíblia de Charing Cross e o resto. Aziraphale tinha todas." (página 49)

 "Belas Maldições" foi uma leitura que eu gostei muito e que recomendo. A boa escrita dos autores permite que visualizemos os cenários com facilidade, e foi interessante (para mim, que tinha acabado de ler outro livro ambientado na mesma cidade) ver como Londres e arredores foi retratado.

 Além do humor, os personagens são um dos destaques da obra: as cenas em que Aziraphale e Crowley apareciam eram as minhas favoritas, por mim, poderiam ser só os dois narrando toda a história! E olha que normalmente eu não curto muito tramas com anjos e demônios, hein?! Era muito legal ver dois amigos com suas semelhanças e diferenças, e como suas ações poderiam estar certas ou erradas, dependendo do ponto de vista. Demorei um pouquinho para simpatizar com o Adam e sua trupe (sim, como muitos garotos de onze anos, o Anticristo tinha um grupinho bem interessante de amigos), mas minha opinião sobre ele mudou bastante ao longo da leitura. Enfim, todos os personagens são interessantes e tem seu momento de destaque.

 "- Por que eu?
 - Você obviamente é um privilegiado - disse Hastur, malicioso. - Imagino que nosso Ligur aqui daria o braço direito por uma chance dessas.
 - É isso mesmo - concordou Ligur. O braço direito de alguém, pelo menos, pensou ele. Havia muito braço direito por aí; não fazia sentido desperdiçar um dos bons." (página 25)

 Acho que "Belas Maldições" poderia até virar um filme (de fato, vai virar uma série), que com certeza causaria muitas risadas no início. O desfecho da trama para mim foi imprevisível, eu não fazia ideia do que aconteceria nos capítulos finais, mas tenho que comentar como os últimos parágrafos da obra foram singelos, bonitos, poéticos. Emocionante, de "deixar o coração quentinho''!

 "Depois de um ano, Newt percebeu que obviamente não tinha o rosto que combinava com cortes de cabelo. O melhor que Newton Pulsifer poderia esperar após um corte de cabelo era ficar com o cabelo mais curto." (página 186, confesso que me identifiquei com o Newt nesse ponto)

Resenha, livro, Belas-Maldições, Terry-Pratchett, Neil-Gaiman, Bertrand-Brasil, diagramação, trecho, citação, foto, contracapa
Resenha, livro, Belas-Maldições, Terry-Pratchett, Neil-Gaiman, Bertrand-Brasil, diagramação, trecho, quote, citação, foto, imagem, opiniao, critica, armagedom, anticristo, humor


 Eu gostei da combinação de cores e fontes da capa (olhando as internacionais, não achei nenhuma mais bonita que a brasileira, e não entendi muito bem a ideia da capa de uma edição nacional mais antiga [aí ao lado]). As páginas são amareladas. A diagramação é simples e boa, com margens, letras e espaçamento de bom tamanho. Há alguns erros de revisão.

 Detalhes: 350 páginas, ISBN-13: 9788528622003, Skoobleia um trecho. Onde comprar online: Submarino, Saraiva. Curiosidades: na Itália, o título ("Good Omens" - Bons presságios em tradução livre) foi adaptado para "Buona Apocalisse a tutti!". Terry Pratchett faleceu em 2015, também é autor de outra série publicada pela mesma editora: "Uma aventura da Tiffany Dolorida".


Por hoje é só, fica a minha super recomendação de leitura para quem procura uma leitura divertida e com uma trama interessante. Meu primeiro contato com a escrita do Neil Gaiman foi ótimo, quem já tiver lido outras obras dele pode deixar indicações aí nos comentários. Me contem: já conheciam os livros ou os autores? Acham que o Armagedom acontece ou não na história? Sobre o Adam: acreditam que a forma como ele foi criado e as referências e influências que recebeu seriam mais fortes e determinantes que sua "genética"?
top-comentarista, blog-literario, petalas-de-liberdade, livros


 Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, clique aqui para saber como participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".





Até o próximo post!
Me acompanhe nas redes sociais:

18 comentários:

  1. Oi, Mari!
    Menina, esse Crowley eu só lembro de Supernatural.
    Eu tinha uma ideia completamente diferente do livro. Já coloquei na lista de leitura.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Olá, o livro me remete à série Lucifer, pois ambos mostram o lado "humano" do anticristo. Eu já li uma obra do Gaiman (Sim, foi Deuses Americanos) e amo a escrita do autor, de fato é fácil imaginar a ambientação dos seus livros. Espero poder ler a obra em breve, beijos.

    ResponderExcluir
  3. Mari!
    Gosto muito de livros com tema anjos, demônios e toda guerra celestial.
    E gostei muito da ideia dos autores em colocar o filho do demo para ser criado em uma família na terra. Não sei se a criação irá interferir muito, porque acredito que o DNA seja bem forte, ainda mais, sendo de quem é, o que sei é que quero poder acompanhar o desfecho do livro.
    E se podemos rir, melhor!
    Bom ver que será uma série de filmes, quero poder assistir também.
    Desejo uma semana de luz e paz!
    “Quem já passou por essa vida e não viveu, pode ser mais, mas sabe menos do que eu...” (Vinicius de Moraes)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Mari!
    Nunca li nada do Neil Gaiman e tenho muita curiosidade pra saber como é a escrita dele.
    Achei interessante a premissa do livro de fazer humor com esses temas sagrados. Muita gente tem medo de fazer isso mesmo querendo fazer. Adoro essa temática de anjos e demônios rsrs
    Adorei a capa e a diagramação *-*
    Obrigada pela indicação!

    ResponderExcluir
  5. Fiquei bem curiosa em ler este livro, após ler sua resenha, a história parece ser bem interessante, e ainda não li nada destes autores, acho que este livros que seria uma boa primeira leitura de um livro escrito por eles.
    Adicionei Belas Maldições em minha lista de leituras e espero ler ele em breve.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Mari! Tudo bem? Caramba, achei a capa do livro linda e uau, que premissa genial! Adorei e fiquei com muita vontade de ler.

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Vejo falarem muito bem da escrita e das histórias de Neil Gaiman.
    Confesso que estou interessada em alguns títulos, mas não me aventurei ainda. Por não curtir muito o gênero literários.
    Mas agora, depois de ler sua resenha, fiquei bem curiosa em relação a Belas Maldições.
    Parece ser uma história muito bem construída, com personagens bem envolventes.
    Não conheço a escrita do Terry Pratchett, quem sabe a meu primeiro contato com ambos autores seja com essa obra? Espero que sim!
    Beijos
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  8. Nunca tinha ouvido falar sobre os autores porém me interessei, adoro essa temática céu e inferno, principalmente quando é retratado com humor como aparentemente é nesse livro, sem falar que a capa é linda, vou até colocar na minha lista de desejados

    ResponderExcluir
  9. Olá !
    Nunca li um livro do tipo onde há guerra entre o céu e o inferno, bem diferente !
    Apesar de não ser meu tipo de livro que eu pedia parece ser uma ótima história bem construída com anjos, demônios e anticristo ..
    Não conhecia a autora mas adorei a premissa do livro !!

    Bjo

    ResponderExcluir
  10. Olá ola Olá.
    Então, eu nunca havia ouvido falar desse livro e não é um assunto que me interessaria olhando pela capa ou até mesmo pela sinopse, mas através da sua resenha bateu uma curiosidade para ler, se um dia tiver a oportunidade e eu gostar da escrita leria sim, mas sei la, não gosto muito de ler coisas de diabo e tals. Enfim, eu achei incrível sua resenha. Você é super detalhista, colocando informações bastante legais.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi Mari!
    Tá aí um tipo de história que nunca chamou minha atenção. Sei que muita gente gosta dessas tramas com anjos, demônios e tudo mais, mas eu não curto essa vibe.
    Beijokas
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Já faz um tempo que esse livro está na minha lista de leituras. Parece ser muito engraçado e envolvente. Gosto muito do autor e pretendo ler mais livros deles, principalmente este.
    Gostei muito dos seus comentários.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Que dica bacana! Ainda n tinha ouvido falar sobre este livro e gostei bastante da sua resenha! Parece ser uma leitura divertida e assim como vc fiquei com a impressao que daria um otimo filme.

    ResponderExcluir
  14. Nossa meu! Ele é muito diferente do que se vê por aí! E tipo, muito mesmo! E parece ser bom! E pera, vai ter sério? Isso mesmo? Preciso ler! Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  15. Não gostei do livro, não é algo que eu leria. Amo Deus e odeio o diabo, n leria nada assim.

    ResponderExcluir
  16. Oi Maria ;)
    Acho a premissa do livro bem diferente, e já conhecia ele de ter lido outras resenhas, mas você me deixou mais interessada ainda em ler ele!
    Acredita que ainda não li nada do Neil Gaiman? Sempre ouço falar bem da escrita dele, então me interesso demais em pega rum livro dele, e acho que esse seria um bom.
    Os personagens da obra parecem ser divertidos e meio atípicos, adorei!
    Já estava na lista de leitura, e adorei sua recomendação, com certeza irei ler ;)
    Bjos

    ResponderExcluir
  17. O livro tem uma història bem interessante e diferente dos livros que estamos acostumados. Como não conhecia esse livro, curti muito a resenha para a primeira vez que li. Espero que quando eu for ler, a història me surpreenda do inìcio ao fim.

    ResponderExcluir
  18. Oi, Maria !!
    Também acho que esse livro se classifica em fantasia, gosto dessa mistura que a estória de anjos e demônios sem duvida e um livro fantástico! Adorei a indicação!!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim.
Leio todos os comentários, mesmo que nos posts mais antigos. Responderei seu comentário aqui nesse mesmo post. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados