quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Resenha: livro "Um tom mais escuro de magia", V. E. Schwab

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar minha experiência de leitura com o livro "Um tom mais escuro de magia", escrito pela V. E. Schwab e publicado no Brasil pela Editora Record em 2016.

Resenha, opinião, crítica, livro, Um-tom-mais-escuro-de-magia, V-E-Schwab, editora-record, trechos, antari, kell, fantasia, fantasia-urbana, magia, ladra, londres, capa, fotos, imagem,

 "- Como você quer morrer? - esclareceu ela.
 O fogo nos olhos dele oscilou por um momento, e então ele se recuperou e disse:
 - Rápido." (página 371, citação interessante para começar a resenha, né?!)

 A história se passa numa época em que haviam três cidades chamadas Londres em três mundos diferentes, como se fossem em realidades paralelas: a Londres Cinza (parecida com a que conhecemos do século dezenove, "comum", sem magia), a Londres Vermelha (onde a magia era abundante) e a Londres Branca (onde a sede por magia ia ao extremo). Houve uma quarta Londres, a Preta, onde a magia era tão forte que causou o desequilíbrio, e ela se perdeu, se destruiu. Para evitar que as demais Londres também fossem destruídas, as portas entre as cidades foram fechadas, e somente os Antari, magos que tinham a magia em seu sangue, podiam transitar entre as três cidade fazendo a comunicação entre seus reis.

 "- Existem quatro mundos - explicou ele. - Pense neles como casas diferentes construídas sobre a mesma fundação. Os quatro têm em comum, exceto pela geografia e pleo fato de que cada um tem uma versão desta cidade, que cresceu em torno desse rio, nesse país insular. E, em cada um deles, essa cidade se chama Londres." (página 196)

 Kell era um dos últimos Antari. Ele não se lembrava de sua família biológica, foi criado no castelo da Londres Vermelha, como se fosse também filho do rei e da rainha, irmão do príncipe Rhy. Kell era um viajante, indo sempre que era necessário até à Londres Cinza e à Londres Branca. Mas Kell também fazia algo proibido: contrabandeava pequenos objetos entre um mundo e outro, e numa dessas ocasiões, um artefato caiu em suas mãos, algo perigoso e que poderia destruir o equilíbrio da magia nas três cidades, algo cobiçado por pessoas capazes de qualquer coisa. Então, Kell teve que fugir, indo parar na Londres Cinza, onde seu caminho se cruzaria com o de Lila Bard.

 "- (...) Mas o problema da magia - acrescentou Kell - é que ela se apodera tanto dos obstinados quantos do fracos de espírito, e um desses mundos não foi capaz de se controlar. As pessoas se alimentaram da magia, e a magia se alimentou delas até devorar seus corpos, suas mentes e então suas almas.
 - A Londres Preta - sussurrou o príncipe regente." (página 23)

 Lila era uma garota de dezenove anos, órfã, sonhava em ter um navio. Enquanto isso não era possível, ela se virava com pequenos furtos e roubos, era uma ladra procurada na cidade, mas como se disfarçava de homem para cometer seus crimes, ainda não tinha sido pega pela polícia. Até que surgiu Kell, e o perigo deixou de ser apenas a prisão. Com sua sede de aventura, Lila descobriria um universo novo e embarcaria com Kell numa perigosa jornada.

 "A cidade estaria manchada pelo sangue há muito tempo se os assassinos não bebessem tudo." (página 91, sobre a Londres Branca, e, acreditem, isso não é uma figura de linguagem)

 "Um tom mais escuro de magia" foi uma leitura que iniciei sem qualquer expectativa. Fui compreendendo aos poucos toda a magia que envolve a trama e a coexistência de três cidades que carregam o mesmo nome e alguns pontos em comum, mas formas muito diferentes de lidar com a magia, com os poderes e feitiços. A trama é dividida em partes, que são divididas em capítulos curtos, e a cada capítulo eu ia ficando mais encantada pela história. A escrita da V. E. Schwab me lembrou um pouco a da minha escritora nacional favorita, a Eleonor Hertzog da série "Uma geração. Todas as decisões.", ambas tem a capacidade de costurar muito bem uma história que se passa em vários cenários ao mesmo tempo, dando a cada personagem o seu destaque.

 O ambiente criado pela V. E. Schwab é fantástico, era muito fácil visualizar as cenas. Esse é um daqueles livros onde tudo desperta a curiosidade, onde queremos saber mais sobre cada faceta da história: o passado de Kell, a vida em cada Londres, o que há em Lila que nem ela mesma sabe... Felizmente, pelo que pesquisei, "Um tom mais escuro de magia" é o primeiro de uma série e tudo o que me deixou curiosa pode ser abordado nos próximos volumes. Quando faltavam umas cem páginas para finalizar a leitura, eu não queria terminar de ler para não ter que me separar de personagens tão bem construídos e cativantes. Além disso, eu não fazia ideia de para onde a história caminharia, e temia que o final não fosse ser satisfatório, mas a autora conseguiu conduzir bem a trama para um bom desfecho, um desfecho fechado.

 Enfim, "Um tom mais escuro de magia" foi um livro que eu gostei muito e que recomendo para os fãs de fantasia e para os que não são tão fãs ainda. Acho que quem, assim como eu, gosta de histórias/romances de época, ou gosta de Londres, também pode gostar de ver a cidade de uma forma mais mágica. Já aviso que a autora não tem dó de matar personagens, hein?! Não sei se me recuperarei tão cedo de um acontecimento na taverna... Dei 5 estrelas para ele no Skoob, simplesmente por não conseguir encontrar nada que diminuísse a nota. Se a forma como uma batalha foi vencida parece fácil demais, no início da obra já havia um precedente para isso. Se ficam curiosidades, como já mencionei, se deve ao fato de tudo (e todos) o que há na obra ser interessante...

 "- (...) A primeira coisa que você tem que entender sobre a magia, Lila, é que ela não é algo inanimado. Está viva. Viva de uma forma diferente de mim ou de você, mas ainda assim muito viva." (página 196)

Resenha, opinião, crítica, livro, Um-tom-mais-escuro-de-magia, V-E-Schwab, editora-record, trechos, antari, kell, fantasia, fantasia-urbana, magia, ladra, londres, capa, fotos, imagem,
Livro Um tom mais escuro de magia V E Schwab (4)
Livro Um tom mais escuro de magia V E Schwab (2)

 Sobre a edição: a capa segue o modelo de uma das edições em inglês, como cores e elementos condizentes com a trama (aí ao lado, coloquei uma capa da edição russa [creio eu], que foi a que achei mais diferente). As páginas são amareladas. A diagramação é simples, com letras, margens e espaçamento de bom tamanho. Não me lembro de ter encontrado erros de revisão.

 Leiam esse livro e venham também se encantar com a história da jovem que sonha em ser pirata, com o mago que tem um dos olhos totalmente preto e um casaco com vários lados, com três castelos muito diferentes, uma trama cheia de surpresas, traições, lutas e magia. Uma obra onde até a página de agradecimentos da autora é interessante.

 Detalhes: 420 páginas, ISBN-13: 9788501106667, Skoobleia um trecho. Acesse o site da Saraiva pelo link do blog (clicando aqui), procure por "Um tom mais escuro de magia" e use o cupom livro10 para ganhar 10% de desconto na compra do livro (está super barato para um livro de mais de 400 páginas). Curiosidades: o livro 2 já está em pré-venda e se chamará "Um encontro de sombras"; V. E. Schwab também escreveu A Guardiã de HistóriasA Bruxa de Near e (como Victoria Schwab) A Melodia Feroz. A autora estará na Bienal do Livro do Rio, para saber as datas confira a programação no site.

 Por hoje é só, espero que tenham gostado da resenha. Me contem: já conheciam o livro ou a autora?

 Participe do TOP COMENTARISTA  de agosto para concorrer ao livro "Dois Mundos", clique aqui para deixar seu e-mail no formulário de inscrição.


Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Vídeo: Unboxing da caixinha da TAG Experiências Literárias de Agosto + vale para compras na loja

 Olá pessoal, tudo bem? Hoje trago para vocês um vídeo de unboxing, mostrando o que veio no kit de agosto do clube assinatura TAG Experiências Literárias. Esse mês a minha mãe não viu a caixa chegando, sendo assim, não me pediu pra abrir como no mês passado, então o unboxing desse mês é de verdade, rsrs. Para descobrir, é só apertar o play:



 Esse é o meu segundo mês como assinante. Comparada com outras caixas do tipo, a da TAG é a mais barata, custa R$69,90, e o frete já está incluso. Não há tempo mínimo para ser assinante, você pode assinar um mês só, se quiser. A proposta da TAG é trazer edições novas e especiais de livros que encontram-se esgotados, obras que são indicadas por  curadores.

tag-livros, agosto, unboxing, kit
O brinde de agosto.

kit tag experiencias literarias agosto (2)

 Se você tem vontade de assinar a TAG, aproveite para assinar pelo meu link: www.taglivros.com/associe-se/dados-pessoais?codigo_indicacao=MARRESUA ou use o meu código de indicação: MARRESUA . Com isso, tanto eu quanto você ganharemos um crédito de R$35,00 para usar na loja da TAG, uma loja exclusiva para os assinantes. O que tem na loja? Muitos itens que todo leitor vai amar! Marcadores, caderninhos, pôster, camisetas, adesivos, kits de meses anteriores e muito mais!

 Alguns itens disponíveis na loja:

 Ilustração cheia de referências literárias disponível em pôster, camiseta e ecobag (fonte)
Kit de junho (fonte)
Tapete Sherlock Holmes (fonte)

 Por hoje é só, espero que tenham gostado do post. Mais alguém também achou maravilinha a capa do livro desse mês? Lá na descrição do vídeo no Yutube, eu coloquei a sinopse do livro.

 Participe do TOP COMENTARISTA  de agosto para concorrer ao livro "Dois Mundos", clique aqui para deixar seu e-mail no formulário de inscrição.


Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Resenha: livro "Dois Mundos", Simone O. Marques

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "Dois Mundos", primeiro da série Tesouros da Tribo de Dana, escrito pela Simone O. Marques e publicado pela Butterfly Editora em 2016. Participando do TOP COMENTARISTA do mês, você pode ganhar o livro.

Livro, Dois Mundos, Simone O. Marques, Butterfly Editora, distopia, fantasia, mitologia-celta,

 O ano é 2021. Marina é uma garota de 18 anos, mas não uma garota comum. Ela é um avatar, um casulo, um receptáculo, onde estão 3 grandes deusas celtas. Quando Marina tinha 13 anos, o mundo mudou, pois essas deusas se manifestaram através dela. Foi o Dia da Aurora. Depois desse dia, não existiam mais armas de fogo, não existiam templos. Muita gente morreu. Após furações, tsunamis e outros eventos do tipo, a natureza estava retomando o controle de tudo.

 "Amanhecia e o céu ia ganhando uma tonalidade amarelada. Muitas estrelas ainda estavam visíveis. Toda aquela mudança havia trazido benefícios ao meio ambiente.
 A poluição, que coloria o céu de um azul-acinzentado na maioria dos dias, desaparecera, e o tom azulado ficara tão claro e vivo que seu reflexo chegava a arder nos olhos. O ar, depois que o cheiro de morte havia se dissipado, era fresco, e a temperatura na maioria dos dias era amena. Árvores, arbustos, grama e mato enroscavam-se entre as construções destruídas. A paisagem ia se transformando e a natureza parecia retomar o que os humanos haviam lhe retirado durante centenas de anos..." (página 62)

 Quando as deusas se manifestaram, jã não era seguro para Marina ficar na cidade, então ela foi levada para uma fazenda chamada Tribo de Dana, na Chapada dos Veadeiros. Lá, por cinco anos, ela foi protegida a todo momento pelos Guerreiros de Dana. Mas Marina estava cansada dessa vida, cansada de todos olharem para ela com medo, achando que com um piscar de olhos ela pode matar qualquer um, cansada de não ter amigos e de não se divertir. Isso fez com que ela se arrisque mais do que deveria, e para protegê-la, os guerreiros Brian e Artur acabaram embarcando junto com ela numa jornada entre os dois mundos: o nosso e o dos deuses.

 O que Marina vai descobrir é que precisará encontrar os Tesouros da Tribo de Dana se quiser manter aqueles que ama em segurança e, quem sabe, recolocar os dois mundos no lugar.

 "Marina ergueu a cabeça e olhou com admiração para aquele lugar. Um castelo igual àqueles dos livros de histórias que seu tio lhe dera. Pelo que sabia, não havia castelos no Brasil, principalmente no Pantanal, se é que realmente estavam no Pantanal." (página 164)

 Paralelo a isso, temos Pedro, um rapaz que mora no que restou de São Paulo e conheceu Marina no passado. Ele pressente que precisa ir encontrá-la, mas não será fácil esconder de todos que está indo atrás daquela que foi a causadora das mudanças radicais no planeta. E no caminho, ele encontrará Liban, uma jovem misteriosa saindo de uma situação extremamente complicada.

 "Dois Mundos" foi uma leitura que me prendeu desde a primeira página! A escrita da autora é super fluida e os capítulos são bem curtinhos. A história me cativou do início ao fim, no começo eu não tinha ideia de para onde a jornada de Marina caminharia, pois as informações foram sendo reveladas aos poucos. O livro da Simone foi lançado pela mesma editora que publica a série Sevenwaters (que eu amo) da Juliet Marillier, e quem leu Sevenwaters provavelmente já vai estar um pouco familiarizado com a mitologia celta usada pela Simone (amei poder rever alguns deuses e seres que conheci nos livros da Juliet).

 "Dois Mundos" tem a mesma intensidade dos livros da Julliet, inclusive no romance. Marina é uma jovem que se ressente por não poder fazer o que as pessoas da sua idade fazem: beijar, tocar, amar, mas apesar do medo, ela desperta a atenção de Brian, ainda que qualquer contato entre eles seja proibido. Há toda uma tensão no ar.

 Imagine ter sua vida mudada de uma hora para outra, como a Marina teve. Imagine ser cercada de pessoas que só veem você como um casulo para as deusas, sem lhe dar espaço para que possa viver a sua própria vida. Alguns podem achar que Marina é teimosa, mas eu a vejo como uma pessoa normal, ela não é uma deusa, ela é só uma garota, superprotegida, impedida de ser ela mesma, mas cheia de vontade de viver.

 Além de ter gostado da forma com que a Simone conduziu o caminho dos personagens (que foram muito bem construídos), gostei também da ambientação no Brasil em um futuro alternativo, a autora trabalhou bem essa parte distópica, assim como a parte fantástica.

Livro, Dois Mundos, Simone O. Marques, Butterfly Editora, distopia, fantasia, mitologia-celta, sinopse, contracapa
Livro, Dois Mundos, Simone O. Marques, Butterfly Editora, distopia, fantasia, mitologia-celta, opinião, resenha, trechos, diagramação
Livro Dois Mundos Simone O. Marques , Butterfly Editora, resenha,

 A edição da Butterfly está muito bonita. A capa é linda, com detalhes que aparecem nas bordas conforme a luz reflete. A contracapa tem tudo a ver com os cenários distópicos da história. Por dentro, a primeira página de cada capítulo tem imagens de vegetação. As demais páginas são amareladas. A diagramação tem letras, margens e espaçamento de bom tamanho. Há poucos erros de revisão.

 Enfim, "Dois Mundos" foi um livro que eu gostei muito e que recomendo, especialmente para quem gosta de livros com aventuras, distopia, fantasia e um pouquinho de romance. Estou ansiosíssima para continuar acompanhando a busca de Marina nos próximos volumes.

 Detalhes: 256 páginas, ISBN-13: 9788568674109, Skoobfan page da autorabook trailercompre na loja da editoraAcesse a Saraiva clicando aqui e use o cupom livro10 para ganhar 10% de desconto na compra do livro. SubmarinoAmazon.

 Se você se interessou pelo livro, ele é o prêmio do Top Comentarista de agosto aqui no blog. Para concorrer ao livro (com marcador e cards dos personagens), é só deixar nome e e-mail no formulário de inscrição e comentar em todos os posts do Pétalas de Liberdade durante o mês, participe. Por hoje é só, espero que tenham gostado do post. Me contem: já conheciam o livro ou a autora? Gostam de mitologia celta?

Clique aqui e participe dos sorteios do blog, para concorrer a muitos livros.
Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

domingo, 13 de agosto de 2017

Lançamentos da Petit Editora

 Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje venho mostrar para vocês alguns lançamentos da Petit Editora:
- Quando é inverno em nosso coração
Américo Simões
Clara (Espírito)

Clara e Amanda são irmãs que cresceram num lar europeu, do final do século 19, quando os casamentos ainda eram arranjados pelos pais. Clara é apaixonada por Raymond, o jardineiro da família. Por ser a filha mais velha, se vê obrigada a se casar com o rico Raphael. Porém, às vésperas de suas bodas é acometida por uma doença desconhecida que a deixa à beira da morte. Para não interromper o acordo entre as famílias, Amanda se casa no lugar da irmã. Mas a troca das noivas não é bem recebida por Raphael, já que havia se apaixonado por Clara. O rapaz não supera a decisão, alheia à sua vontade, e passa a desconfiar de que a doença repentina da jovem é puro fingimento para evitar o matrimônio. Essa paixão não correspondida e um segredo inviolável marcarão para sempre a vida da jovem Clara e de todos que a rodeiam.
Link do site: http://www.petit.com.br/produto/143-quando-e-inverno-em-nosso-coracao

- Um novo dia para amar
Célia Xavier de Camargo
Paulo Hertz (Espírito)

Quem nunca ouviu da boca de uma criança histórias sobre seus amigos invisíveis ou relatos de experiências vividas em outro período na Terra? Nesta obra, Valéria, diretora de uma escola de crianças e adolescentes, nunca tinha presenciado nada incomum entre eles, quando, de repente, começam a apresentar comportamentos estranhos. Profissional comprometida com o trabalho, Valéria fica desorientada. Ao buscar ajuda, conhece o médico Maurício, que a levará a compreender que apenas conhecimentos pedagógicos e psicológicos não são suficientes para ajudar seus alunos.

Paulo Hertz, o autor espiritual, faz parte da Colônia Céu Azul e há tempos trabalha com jovens nos dois planos. Ele nos traz este romance para orientar pais, psicólogos e educadores a lidar com uma nova geração, cuja presença em nosso planeta tem o objetivo de auxiliar a humanidade em seu processo evolutivo.
Link do site: http://www.petit.com.br/produto/127-um-novo-dia-para-amar

- Violetinhas na janela
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Luis Hu Rivas (ilustrador)

Violetas na Janela agora em quadrinhos! O que era bom, agora ficou melhor ainda. Com lindas ilustrações de Luis Hu, o leitor vai fazer uma viagem deliciosa pelo mundo dos espíritos acompanhando Patricinha e seus amigos.

Um dia Patricinha acordou e percebeu que não estava em casa. Viu um lugar que lembrava um hospital, mas sem barulho de hospital. Usava o mesmo pijaminha azul de todos os dias, só que aquela não era sua cama nem seu quarto. Como podia? Ela começou a ficar intrigada. É possível acordar de uma hora para outra num lugar estranho, e ainda por cima sem medo?
Pois esta é a melhor parte da história: Patricinha descobriu que nem sempre precisamos ter medo do que não entendemos. Ela conta coisas incríveis que conheceu após esse despertar, como as colônias, por exemplo, um lugar cheio de cor, bom humor e alegria, e nos convida a uma viagem deliciosa pelo mundo dos espíritos.
Link do site: http://www.petit.com.br/produto/140-violetinhas-na-janela

- Reescrevendo Histórias
Cristina Censon
Daniel (Espírito)

Espanha, século 17. Santiago, jovem médico criado pelo avô desde a morte dos seus pais, de repente descobre que é herdeiro de terras em Córdoba. Na busca pela herança, acaba conhecendo um grande amor e um segredo inviolável sobre o passado do seu avô. Conforme vai adquirindo consciência sobre a história de sua família, marcada por mentiras, assassinatos e traições, Santiago se vê confrontado a acreditar numa realidade espiritual. Sua obsessão pela verdade não resulta apenas em uma história de amor, mas também em autoconhecimento. Revela que na roda viva da existência terrena tudo se entrelaça: da dor à paixão; do sofrimento à paz; do humano ao divino
Link do site: http://www.petit.com.br/produto/141-reescrevendo-historias


- Nas brumas do tempo
Sarah Kilimanjaro
Vinícius (Espírito)

Bruna e Armando estavam muito felizes com a chegada de Luciene, a primeira filha do casal. No entanto, a alegria durou pouco. Aquele anjo, ainda no começo da jornada, volta ao mundo espiritual com apenas quatro anos de idade. A tristeza tomou conta daquele lar. Deus, porém, presenteia-os com a vinda de Alice, trazendo novamente alegria ao lar. Com o passar do tempo, eles começam a observar na menina um comportamento muito semelhante ao da primeira filha. Vão em buscas de respostas para poder entender o que está acontecendo. Nessa trajetória, começam a compreender que a vida não é apenas esta pálida imagem terrena que temos, e que há muito mais coisas importantes para descobrir
Link do site: http://www.petit.com.br/produto/137-nas-brumas-do-tempo

- Mensagens para Júlia
Mônica Aguieiras Cortat
Clara (Espírito)

Quando Clara desencarnou, sua filhinha Júlia tinha apenas 3 anos. Por ser um espírito abnegado, Clara foi autorizada pelos dirigentes espirituais a enviar mensagens à filha. A protagonista conta como foi seu encontro com o pai de Júlia e revela todos os problemas de sua existência quando encarnada, desde o casamento até as  incompreensões de seus pais para com suas atitudes e atos humanistas, que provocavam estranhamento entre os conhecidos. As mensagens de Clara à filha foram o caminho que ela encontrou para continuar seu dever de mãe, que, muito mais do que educar e transformar os filhos em cidadãos, direciona-os no caminho de Deus. Um relato emocionante cheio de amor maternal.
Link do site: http://www.petit.com.br/produto/134-mensagens-para-julia

- Um fantasma em Londres
Sarah Kilimanjaro
Vinícius (Espírito)
Richard William Stuart foi um lorde na Inglaterra do século 18. Fidalgo de temperamento difícil, caiu numa armadilha e foi assassinado cruelmente. No plano espiritual, resolveu se vingar de seus traidores, assustando e provocando sofrimento nas pessoas. Depois de muito tempo vivendo uma existência vazia, como um fantasma perdido nas ruas de Londres, acaba resgatado. A partir desse momento, a vida de Richard toma um novo rumo, quando lhe é permitido o retorno à Terra, desta vez no Brasil. Como alguém tão conflituoso reagirá ao ter a oportunidade de reencontrar aqueles com os quais teve contato na encarnação anterior e lhe causaram tanto sofrimento? Uma história repleta de paixão, tragédia, vingança e perdão. 
Link do site: http://www.petit.com.br/produto/145-um-fantasma-em-londres

 Capas lindas, né?! Ficam as sugestões de leitura para quem gosta de livros espíritas.

 Participem do TOP COMENTARISTA  de agosto para concorrer ao livro "Dois Mundos", clique aqui para deixar seu e-mail no formulário de inscrição.


Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

sábado, 12 de agosto de 2017

Resenha: livro "Rainbow", M. S. Fayes

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "Rainbow", escrito pela M. S. Fayes e publicado pela Editora Pandorga em 2017.

Livro Rainbow, M S Fayes, Editora Pandorga, trechos, citação, diagramação, fotos, opiniao, resenha

 "Muitas vezes eu achava que estava sendo dura demais em meus julgamentos, mas a verdade era que as pessoas me irritavam. Então, preferia ficar sozinha." (página 16)

 Rainbow Walker é a narradora, uma garota de 17 anos e que se chama arco-íris e é filha de pais hippies. Seus dois irmãos mais novos, a Sunshine e o Storm, são gêmeos e tem 16 anos. Com pessoas de "espírito livre", seu pais viviam se mudando de uma cidade para outra, nunca ficando muito tempo em nenhum lugar. E agora Rainbow estava numa cidade nova, numa escola nova, onde a maioria dos alunos já se conhecia desde a infância. Como sempre, Rainbow não estava interessada em se enturmar (de que adiantaria, se logo poderia ter que se mudar novamente?), mas com esse nome, ela não passaria despercebida pelos outros alunos, especialmente Jason e, mais especialmente ainda, do Thomas, alguns dos garotos mais populares da escola.

 "- Exatamente! Você vê tudo pelo lado negativo, tudo esmiuçado na seriedade que é a tua característica, Rain. Mas a vida está aí para ser vivida sem tantas preocupações enquanto estamos no segundo grau, caramba. Depois que crescermos, não poderemos mais nos distrair com bobeiras como essa!
 Eu nunca tinha visto minha irmã tão enfática." (página 95)

 O Thomas também narra parte da história. Ele se interessa pela Rainbow, porém, ela é fechada, não deixa que os outros se aproximem, evita criar laços. Mas ele vai ser bem insistente e buscar maneiras de se aproximar dela, tentando fazer com que ela também se veja tão encantadora como ele a vê. Além das inseguranças da Rainbow, tinha que ter mais alguma coisa para atrapalhar o casal, ou não seria um típico romance High Scholl, né?! Eis que temos uma ex maluca do Thomas e algumas garotas que não vão com a cara dela na escola. O que será que vai acontecer com a Rainbow até o final dessa história?

 Uma das coisas que me fez querer ler o livro, foi a protagonista ser filha de hippies, mas logo fica bem claro o quanto a Rainbow era diferente do tipo de filha que os pais dela gostariam de ter. Nem sempre a vida que os pais desejam é a que os filhos querem ter; nessas situações, qual lado vai ceder? A Rainbow é uma personagem cheia de nuances (e até mesmo de cores, suas bochechas passam por uma diversidade de tons dependendo das situações), em alguns momentos ela é forte, determinada e inteligente, em outros, despreza todo mundo, é insegura e precipitada; mas que adolescente não é assim? É uma garota experimentando coisas novas, mas também é alguém que já se cansou de sofrer com as piadinhas por causa do nome e com o preconceito por ser de uma família diferente. Para não ser mais machucada, acabou se fechando, se retraindo.

 "Por que uma coisa eu digo: as pessoas ruins nascem e frequentam a escola. Eu já disse isso? E elas começa a alastrar suas maldades e deixar traumas desde cedo. Estendem suas garras maldosas ainda nos corredores escolares, às vezes com um simples giz de cera na mão. É uma imagem aterradora, mas real." (página 243)

 Ainda sobre os personagens, me parece que vai ter livro sobre a Sunshine e o Storm, e eu adoraria ler especialmente o livro da Sunshine, ela sim é um "espírito livre" como seus pais gostariam, e eu quero conhecê-la melhor (além de, provavelmente, acompanhar um pouco mais sobre a vida da Rainbow após o livro). O Jason foi um personagem que seguiu um destino que eu não esperava nas primeiras cenas. O Thomas é um garoto de temperamento forte, que quase não exita em resolver as coisas no braço quando necessário, além de insistente.

 "Rainbow" é um livro de capítulos curtos e leitura rápida, com seus clichês que são compensados pela escrita super divertida e fluida da autora. Uma daquelas obras com cenas divertidíssimas, que arrancam risadas do leitor. Foi o meu segundo contato com a escrita da M. S. Fayes, dela eu já havia lido "Irresistível", e os narradores de "Rainbow" são tão "boca suja" quanto a protagonista de "Irresistível", o que pode incomodar leitores que não curtem livros com muitos palavrões.

Livro Rainbow, M S Fayes, Editora Pandorga, trechos, citação, diagramação, fotos, opiniao, resenha
Livro Rainbow, M S Fayes, Editora Pandorga, trechos, citação, diagramação, fotos, opiniao, resenha, sinopse
Livro Rainbow, M S Fayes, Editora Pandorga, trechos, citação, diagramação, fotos, opiniao, resenha

 Finalizo a resenha comentando sobre essa capa linda, que me encantou e me fez querer ler o livro desde que a vi pela primeira vez, e por dentro o livro também está lindo, com detalhes no início e no decorrer dos capítulos, um tipo (e tamanho) de letra que ficou ótima com as folhas amareladas.

 Detalhes: 288 páginas, ISBN-13: 9788584422043, Skoob, fan page da autoraClique aqui para comprar na Saraiva e ganhe 10% de desconto usando o cupom livro10.

 Me contem: já conheciam o livro ou a autora?

 * Clique aqui e responda à pesquisa de público do blog e me ajude a torná-lo melhor.



Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Vídeo: como é a edição econômica/edição em formato econômico do livro "A última carta de amor" da Jojo Moyes vendida na Avon

 Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje, trago algumas fotos e um vídeo para mostrar para vocês como é a edição econômica (ou edição em formato econômico) do livro "A última carta de amor", escrito pela Jojo Moyes e publicada pela editora Intrínseca, vendida na revista Avon Moda & Casa. Apertem o play para conferir:



edição-econômica, edição-em-formato-econômico, livro, A-última-carta-de-amor, Jojo-Moyes, Intrínseca, Avon, vídeo, foto, imagem, capa, diagramação, trecho, sinopse
Capa
Livro A última carta de amor, Jojo Moyes, Edição econômica,
Diagramação


Sinopse: Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente de carro, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. Novamente em casa, com o marido, ela tenta sem sucesso recuperar a memória de sua antiga vida. Por mais que todos à sua volta pareçam atenciosos e amáveis, Jennifer sente que alguma coisa está faltando. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por “B”, e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante.

Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalha. Obcecada pela ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido — em parte por estar ela mesma envolvida com um homem casado —, Ellie começa a procurar por “B”, e nem desconfia que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas de seu próprio relacionamento.

Com personagens realísticos complexos e uma trama bem-elaborada, A última carta de amor entrelaça as histórias de paixão, adultério e perda de Ellie e Jennifer. Um livro comovente e irremediavelmente romântico.

 Já fiz um vídeo e um post mostrando como é a edição econômica do livro "Eleanor & Park" vendida na Avon, e como o feedback foi bem positivo, decidi mostrar outros livros em formato econômico, o que é bacana também pelo fato de as edições econômicas variarem de editora para editora. A Novo Século (de "Eleanor & Park") usa folhas brancas e tem uma diagramação menos espremida que a Intrínseca, que usa páginas amareladas.

 A Avon tem apostado bastante nos livros da Jojo Moyes, e vale lembrar que nem toda cidade tem livraria, nem todo mundo pode comprar pela internet (tem pais que não deixam seus filhos fazerem compras online, tem lugares para onde o frete não compensa), e que a conservação de um livro depende muito também do cuidado que a pessoa tem com ele. No fim das contas, o que importa é ler.

 Atenção: vale ressaltar que os livros vendidos pela Avon variam de campanha para campanha, para saber se os da Jojo Moyes estão sendo vendidos e qual o preço, você pode procurar uma revendedora ou olhar no site: http://www.avon.com.br/folheto-virtual.

 Por hoje é só, espero que tenham gostado do post. Me contem: alguém aí já leu "Á última carta de amor"? Eu ganhei ele no último Natal mas ainda não li, devo correr para ler?



Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

RESENHA: Um Ano Inesquecível, de Paula Pimenta, Babi Dewet, Bruna Vieira, Thalita Rebouças

Olá Leitores (ras), como estão? Vamos de resenha mais uma vez!? Desta vez do livro de contos, Um Ano Inesquecível, que vou lhes confessar superou todas minhas expectativas. 



Título: Um Ano Inesquecível 
Autoras: Paula Pimenta, Babi Dewet, Bruna Vieira, Thalita Rebouças
Editora: Gutenberg 
Ano: 2015
Páginas: 400
Gênero: Ficção/ Infanto Juvenil/ Literatura Brasileira 

SINOPSE 
Dizem por aí que os melhores momentos da vida são vividos na adolescência. Os primeiros amores, os encontros, as festas, as viagens, as surpresas… E são sempre os instantes inesperados que transformam um dia comum em uma lembrança especial, daquelas que nunca deixarão de nos acompanhar.
Este é um livro sobre esses momentos doces e sensíveis que não se apagam da memória tão facilmente. Quatro contos, em quatro estações do ano, sobre jovens que passam por vivências e sentimentos intensos. Paula Pimenta nos leva em uma viagem de inverno. Babi Dewet conta como um outono pode mudar tudo. Bruna Vieira mostra a paixão brotando com a primavera. E Thalita Rebouças narra um intenso amor de verão. Histórias de um ano inesquecível que vão ficar para sempre!


Este foi um livro que eu queria ler já fazia algum tempo, e como este ano minha meta é fazer com que minhas leituras fossem de obras que já estavam paradas na minha estante a um longo período, acabei optando por incluir este de contos em especial. Principalmente porque já acompanho as autoras Bruna Vieira, e Babi Dewet, pelas redes sociais, mas nunca havia me deparado com suas escritas, achei que esta seria uma grande oportunidade. E posso dizer que não me arrependi em nenhum momento.


Neste livro iremos encontrar quatro contos que se passam em diferentes estações do ano, Verão, Inverno, Outono e Primavera, em que cada um, autoras diferentes os escreveu, dentre elas estão Paula Pimenta, Badi Dewet, Bruna Vieira, e Thalita Rebouças.
O primeiro conto foi escrito pela Paula Pimenta, com o título “Enquanto a Neve Cair”, e se refere á estação do inverno. No começo foi bem arrastado, a personagem Mabel e bem chata, exigente, e teimosa, e quando coloca uma coisa na cabeça faz aquilo que deseja não importa como, e por isto em vários momentos se meteu em furada. Porém a estória acaba tendo uma revira volta que me deixou bastante entusiasmada, e no final me arrancou lágrimas, pois me identifiquei com a personagem, pois passei por um momento bem parecido na minha adolescência. Esta estória de amor se trata daqueles que acontece naturalmente, e que te pega de surpresa, e isto foi tão empolgante.

“Ele pegou a minha mãe e, me amparando, começou a me guiar, para que esquiássemos bem devagar.
Ele só errou em uma coisinha... “Eu não havia gostado, e sim amado aquela lição.” (pag.98)


O segundo conto foi escrito pela Babi Dewet, com o título “O Som dos Sentimentos”, e se refere á estação do outono. Este me cativou desde ás primeiras páginas, pois se trata de uma garota chamada Anna Julia, que não gostava de música, e o achava desnecessário, no entanto um dia acaba se esbarrando em um garoto que vai mudar toda sua percepção a respeito do gosto musical. Sou uma pessoa viciada em música, e neste conto teve toda uma trilha sonora, e pude ir lendo e ouvindo as músicas. Teve momentos em que parecia que eu estava me descrevendo nesta estória, e acabei me apaixonando pelos personagens, e por todo o contexto em que estavam inseridos. Pretendo visitar os lugares citados pela autora, assim que tiver a oportunidade de ir a São Paulo. De todos os contos, este foi o que mais me envolveu, e me ganhou. Quero muito ler outras obras desta autora.

“Notou que tinha aprendido mais um dos grandes poderes mágicos da música: fazer você pensar que está dentro de uma história diferente, só sua, e ficar feliz com isso.” (pag.152)


O terceiro conto foi escrito pela Bruna Vieira, com o título “A Matemática das Flores", e se refere á estação da primavera. Quando comecei a ler esta estória, fiquei pensando se autora não estava se referindo a sua própria vida pessoal, já que a personagem Nina possui os cabelos cacheados, como a Bruna, e passa por um certo momento de aceitação, mas após isto se mostra super satisfeita com suas madeixas, como a própria se refere. Encontramos nesta estória de amor, uma verdadeira superação, já que Nina odeia matemática, porém e através desta dificuldade, que ira se deparar com o amor da sua vida. Acreditem se quiser também sempre tive dificuldades em aprender matemática, e entendia completamente a pressão psicológica que a personagem passava com os pais, para que pudesse aprender. Esta foi uma leitura bastante gratificante, e encantadora.

“E então eu soube que eu não precisava ser de uma família de bruxos ou estudar em Hogwarts para encontrar a magia. Bastava sentir algo muito especial por alguém.”  (pag.302)



O quarto e ultimo conto foi escrito pela Thalita Rebouças, com o título “Amor de Carnaval”, e se refere á estação do verão. Primeira pergunta quem já foi adolescente, e nunca teve uma paixonite no carnaval? (risos). Bom e exatamente isto que esta autora nos apresenta, uma paixão avassaladora, e a primeira vista no carnaval, mas que acontece naturalmente, mais tão naturalmente que e impossível acreditar que após tantas surpresas ainda possa ter um final feliz. Admito que de todos não esperava que esta seria uma estória cômica e divertida,  e em diversos instantes me vi dando boas risadas, e pedi aos céus amigas como as da personagem. Como já havia compartilhado com vocês anteriormente, este ano tive a oportunidade de conhecer a autora em Julho, e por isto ela autografou este livro. Espero ter a oportunidade de poder ganhar o autografo das outras autoras que escreveram esta obra.

“Inha nunca quis nada do que Tati enumerou. Considerada pelas amigas “magra de ruim”, ela era fã de comida. No seu perfil no Instagram, se definiu escrevendo: “Umas pessoas têm talento, outra têm um dom especial, algumas tem facilidade para aprender línguas. Eu tenho fome.” (pag.312)




No final desta leitura, me peguei perguntando por que não havia dado uma chance a este livro antes. De tão satisfeita e feliz que fiquei após topar com á ultima página. Claro, que indico esta leitura, não só para os adolescentes, mas também para os adultos que de alguma forma gostam de revirar alguns momentos da adolescência, ou apenas para se deparar com estórias de amor clichês, e divertidas.
Pretendo ler outros livros destas autoras, como já disse anteriormente. Por isto quem já leu algum livro escrito por elas, e a hora de me indicarem, por qual devo começar? Gostaram desta resenha, já leram esta obra, ou se interessaram pela leitura? Digam-me nos comentários, irei amar saber um pouco mais da opinião de vocês leitores. 

Esperam que tenham gostado, e por hoje e só.



Participem do TOP COMENTARISTA  de agosto para concorrer ao livro "Dois Mundos", clique aqui para deixar seu e-mail no formulário de inscrição.


                                                               Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:


quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Resenha: livro "O Sorriso da Hiena", Gustavo Ávila

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre a minha experiência de leitura com o livro "O Sorriso da Hiena" escrito pelo Gustavo Ávila e publicado em 2017 pela Verus Editora.

Resenha, livro, O-Sorriso-da-Hiena, Gustavo-Ávila, Verus, serial-killer, trecho, diagramação, fotos, imagem, diagramação, opinião

 Um garoto foi encontrado sozinho em casa, sentado, amarrado numa cadeira. Na frente dele, duas cadeiras, onde antes estiveram sua mãe, que levou um tiro na cabeça, e seu pai, que teve a língua cortada. Os corpos não foram encontrados. A investigação do crime ficou a cargo de Artur, um detetive com síndrome de Asperger.

 "- Muita gente pode te achar o máximo, mas para mim você não passa de um sujeitinho arrogante.
 - Arrogante é como os invejosos chamam os competentes.
 - Será que você seria bom no que faz se não tivesse esse seu... problema?
 -  Será que você seria se tivesse? - disse, sem parecer um insulto, o que insultava ainda mais." (página 69)

 Como a única testemunha era uma criança, que estava muito abalada, o psicólogo William ficou encarregado de conversar com o garoto para que a polícia conseguisse mais pistas. William era especialista em trabalhar com crianças e tinha escrito uma tese bem conhecida sobre o tema. Eis que um crime semelhante tornou a acontecer, e depois outros... O serial killer agia sempre da mesma forma!

 Como está na sinopse, o assassino se chamava David e tinha passado por uma experiência traumática na infância. Ele oferecia a William a oportunidade de estudar as vítimas de seus crimes e descobrir se a perda dos pais causaria nas crianças o mesmo que causou em David. Será que o psicólogo aceitaria fazer parte dessa trama? Será que o policial Artur conseguiria pegar o criminoso? Leiam para descobrir!

 Já li alguns romances policiais estrangeiros, onde os investigadores iam muito fundo na investigação, viravam noites investigando uma pista, revirando arquivos. Enquanto lia "O Sorriso da Hiena", eu me desesperava ao ver coisas como um policial indo sozinho até a casa de um suspeito, um possível suspeito sendo deixado livre para ir para casa sem que ninguém ficasse de olho nele, um policial verificando apenas uma vez o local onde poderiam estar as provas. Sabe quando parece que a polícia não está fazendo o suficiente?

 Senti tanto asco do William, que vocês não tem ideia! Para mim, o pior foi o que ele foi capaz de fazer com um determinado personagem! Obviamente, não vou contar o que foi para não dar spoiler. Para descobrir se ser vítima de uma tragédia na infância te torna mal, acredito que não é preciso sair matando pais na frente dos filhos, pois já há um número considerável de crianças que passaram por situações traumáticas na infância e que podem ser observadas. Achei muito fraca essa justificativa dada pelos personagens. Esses dias mesmo eu fui desafiada a responder "O que há de errado com a humanidade", e acho que é bem visível o que está errado observando o David e o William: falta limite, falta respeito ao outro.

 "- É sempre o mesmo discurso. O mundo sempre vira desculpa para quem acha que pode fazer o que quiser como compensação." (página 254)

 "O Sorriso da Hiena" foi uma leitura bem fluida, daquelas em que era possível ler páginas e mais páginas em pouco tempo. Para um livro de estreia, a escrita do autor está muito boa. A história é bem intrigante, tem personagens principais e coadjuvantes interessantes, e despertou diversas emoções em mim. Quando cheguei no último capítulo, pensei "Espera! Não! Não pode acabar assim! Precisa de mais um capítulo para fechar essa investigação!" Fiquei curiosa para entender melhor como o David fez tudo o que fez.

 Enfim, na minha opinião, a obra cumpre o seu papel de trazer uma reflexão sobre o mal e o bem que é despertado em cada um, especialmente através do personagem William, que acredito ser o principal entre os três mencionados. É uma história que prende o leitor, cheia de surpresas e reviravoltas (tem muito, mas muito mais do que eu contei na resenha), e por isso valeu a pena tê-la lido, mas eu, que prefiro finais bem fechados, dei três estrelas e meia para ele no Skoob por causa do desfecho.

 "- O mal nada mais é do que um buraco que quer desesperadamente ser preenchido, detetive." (página 136)

Resenha, livro, O-Sorriso-da-Hiena, Gustavo-Ávila, Verus, serial-killer, trecho, diagramação, fotos, imagem, diagramação, opinião
Resenha, livro, O-Sorriso-da-Hiena, Gustavo-Ávila, Verus, serial-killer, trecho, diagramação, fotos, imagem, diagramação, opinião

 Finalizo a resenha comentando sobre a capa bem bonita da obra, com elementos relacionados à trama. As páginas são amareladas, a revisão é boa, as margens, letras e espaçamento tem um bom tamanho.

 Detalhes: 266 páginas, ISBN-13: 9788576865940, Skoobleia um trecho. Para comprar online na Saraiva, acessando pelo link do blog (é só clicar aqui) e usando o cupom livro10, você consegue 10% de desconto.

 Por hoje é só, espero que tenham gostado do post, me contem nos comentários se já conheciam, leram ou tem vontade de ler "O Sorriso da Hiena". Para quem já leu, podemos conversar sobre o livro aqui ou nas redes sociais, é só colocar um alerta de spoiler caso vá contar algum.



Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais: