RESENHA: A Lista Negra, de Jennifer Brown

Olá Leitores (as), como estão? Espero que estejam todos bem. Hoje trago a vocês a resenha do livro A Lista Negra, um romance da autora Jennifer Brown

Foto: Skoob
Título: A Lista Negra 
Autora: Jennifer Brown
 Editora: Gutenberg 
Ano: 2012
Páginas: 272
Gênero: Drama / Ficção / Jovem Adulto / Literatura Estrangeira / Romance 

SINOPSE
O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos.

Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, com os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas.
A Lista Negra, de Jennifer Brown, é um romance instigante, que toca o leitor; leitura obrigatória, profunda e comovente. Um livro sobre bullying praticado dentro das escolas que provoca reflexões sobre as atitudes, responsabilidades e, principalmente, sobre o comportamento humano. Enfim, uma bela história sobre auto-conhecimento e o perdão.


Sabe aquele livro que todo mundo fala muito bem da estória, da narrativa, e do quanto a trama nos faz refletir sobre diversos assuntos, como por exemplo, culpa, perdão, autoconhecimento, pois e  estamos nos referindo exatamente sobre a obra A Lista Negra . 

É claro que não se consegue ver cicatrizes emocionais no rosto de uma pessoa, consegue? (pag.105)


A estória se refere a um massacre que aconteceu no colégio Garvin, onde os personagens Valerie, mais conhecida como Val, e seu namorado Nick Levil estudam. No dia 02 de Maio de 2008, em uma sexta que tinha tudo para ser normal, após alguns acontecimentos, Nick abre fogo contra seus colegas na Praça de Alimentação da escola. E o que parecia, era que este assassinato em série foi premeditado, já que ambos haviam escrito uma lista negra contendo os nomes das pessoas, das quais eles tinham motivos para odiar. Uns dizem que Valeria foi uma vítima e que não sabia o que Nick pretendia fazer, outros falam que foi heroína, e que inclusive tentou salvar a vida de uma das garotas, que seu namorado queria matar, outros que ela é culpada, visto que tinha escrito os nomes das vítimas na lista. E agora Val é vítima, culpada, ou heroína? Você vai precisar ler o livro para poder tirar suas próprias conclusões.

_Eu estava com raiva. Nossa, estava muito brava. Ela quebrou meu MP3 player e eu fiquei com muita raiva. (pag. 131)


No decorrer desta leitura, esperava que houvesse uma explicação plausível para o personagem tomar tal decisão, no entanto me surpreendi, pelo fato de que a autora nos faz refletir não a respeito de quem é culpado ou não, mas em como as pessoas, tanto para quem comete o erro, quanto o indivíduo que sofre tal ato são vítimas da mesma forma.
Claro, que na atual sociedade em que vivemos as pessoas se preocupam mais em penalizar um culpado, do que em tentar amenizar o problema para que situação não volte a acontecer.

_Frankie é um bom garoto, mãe_ Tranquilizei-a. _Ele sai com garotos legais. Ele não vai..._ ”Ser como eu”, era o que eu ia dizer, mas a vergonha me dominou de novo e eu disse:_ ...arranjar problemas. (pag.198)


O livro é narrado em primeira pessoa pela perspectiva da personagem Valerie, onde nos deparamos com alguns relatos jornalístico sobre a tragédia, e em como os alunos estão lidando com a situação após a fatalidade. A trama é dividida em três partes, onde na primeira consiste na volta da personagem a escola, e suas dúvidas e medos de como seus amigos irão lidar com sua presença, principalmente as vítimas, e os alunos de modo geral. Além dos flashbacks do dia do massacre, do seu relacionamento amoroso com Nick. Na segunda parte somos inseridos no momento em que Valeria acorda no hospital, e em como tem de lidar com a culpa de tudo o que aconteceu. Já na terceira e ultima parte somos lançados aos dias atuais e em como os familiares de Valerie estão lidando de maneira conturbada com esta situação, e somos lembrados constantemente dos várias vítimas, e vidas perdidas e de seus familiares. 

(...) De certa forma, Nick estava certo: ás vezes, todos temos de ser vencedores. (pag.264)


Gostei muito da forma como o psicólogo é inserido nesta trama, de forma tão positiva, onde a personagem podia se sentir segura e dizer tudo o que sentia, e o quanto é normal sentirmos raiva em certos momentos, e que mesmo após tudo que aconteceu, ainda sim não conseguia odiar seu namorado, e que ele continuava sendo a pessoa que lhe fazia se sentir bem. A princípio somos fadados a julgar, mas precisamos conhecer todas as evidências, antes de fazer um pré-julgamento da situação.
Além da referência de como a família da personagem é afetada, seus pais começam a tomar atitudes precipitadas e horríveis, e injustificáveis. E durante estas cenas não sabia se sentia empatia, raiva, ou se tentava compreender a forma como sua mãe, seu pai, e seu irmão estavam agindo.
O final foi sensacional, uma conclusão linda, com uma mensagem libertadora, e satisfatória, com um discurso do qual irei levar para a vida, e nunca irei me esquecer. 
Acredito que cada leitor irá poder ter uma interpretação desta estória, e mais ainda poder tirar várias reflexões deste acontecimento. No final avaliei com cinco estrelas, muito bem merecidas, e já estou ansiosa para ler o próximo livro da autora. 
Mas e vocês leitores, já leram este livro, ou alguma outra obra desta autora, ou se interessaram por esta leitura? Deixem nos comentários a opinião de vocês, é sempre muito importante e bem vinda. 

Esperam que tenham gostado, e por hoje é só.




Participem do TOP COMENTARISTA  de agosto para concorrer ao livro "Dois Mundos", clique aqui para deixar seu e-mail no formulário de inscrição.



Até o próximo post


Me acompanhe nas redes sociais:
10 comentários via Blogger
comentários via Facebook

10 comentários

  1. Oi Lana,
    Tudo bom?
    Vim retribuir sua visita e adorei conhecer seu blog já estou seguindo ele e sua página no facebook se quiser retribuir seguindo o meu ficarei feliz.
    Então, sobre a resenha, primeiro devo comentar que adorei as fotos que você tirou ficaram bem legais, agora sobre o conteúdo, sabe que já tinha ouvido falar sobre esse livro mas nunca parei para ler sobre o que realmente se tratava e achei bem interessante a prerrogativa da história. Vendo que isso é um fato que infelizmente acontece por aí acho que a autora foi feliz em abordar ele dessa forma e fazendo com que talvez as pessoas pensem um pouco mais antes de cometer certas ações. Fiquei curiosa e intrigada e se puder quero conhecer o livro de perto sim.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado do blog, que já nos seguia. Eu ainda não conhecia seu blog, e claro fui retribuir a visita, e claro, não pude deixar de seguir tanto pelo GFC, quando pelo Facebook. Que ótimo que gostou das fotos, realmente a autora trata de assunto que já aconteceu várias vezes, e o quanto isto pode afetar todos os envolvidos. Beijos e abç.

      Excluir
  2. Oi Lana,tudo bem! 😊
    E você? 🎉🎉👏🎈😉

    Bem,sempre tive vontade de ler esse livro. Mas como sempre,outros livros desejados aparecem,e vou esquecendo dos que eu queria ler antes.

    Já li muitos comentários super positivos como os seus sobre essa trágica história.
    Pelo que eu estava lendo em sua resenha,vi que é um livro reflexivo,e que nos coloca no lugar de cada um dos personagens.
    Quem são as vítimas ou inocentes?
    Acho que cada um terá uma expectativa diferente da trama.
    E mesmo não tendo lido o livro,acredito que todos tem sua parcela de culpa.

    Adorei a dica. E pretendo ler! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo perfeitamente a questão sobre ter vários livros, com que faz com que a gente acabe passando outros na frente, mas te digo que vale a pena dar uma atenção maior em adquirir está obra, vai valer a pena. E exatamente isto que a autora vem trazer ao leitor. Beijos e abç.

      Excluir
  3. Gente, que livro louco haha
    Só tinha ouvido/lido de pessoas que amaram este livro e eu nunca parei e li um review, nem sabia do que se tratava. Sinto que este livro carrega uma carga emocionar muito grande e com personagens incríveis. Gosto de leituras que te fazem parar pra pensar e refletir sobre aquilo que aconteceu.
    Sinto que vou amar este livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isto não deixe de dar uma chance a este livro, principalmente pelo fato de vai trazer exatamente esta reflexão ao leitor, além de ter uma grande carga emocional. Beijos e abç.

      Excluir
  4. Confesso que, mesmo não lendo nenhum dos dois livros, "A lista negra" e "Os 13 porquês" me parecem muito semelhantes. Talvez seja só impressão mesmo, mas como a temática está em alta agora...
    Eu gosto muito de livros com uma certa densidade psicológica, embora não os leia com muita frequência (acho que fico meio esgotada auehaueh). Fiquei curiosa com o final, como sempre auehaehauea

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho visto muitas pessoas comparando o livro A Lista Negra, com Os 13 Porquês, mas ambos possui um desenrolar diferente, só possuem a mesma temática. Eu confesso que prefiro os livros com uma densidade maior de carga emocional e psicológica, mas isto e uma questão de gosto e super entendo sua opinião. Beijos e abç.

      Excluir
  5. Eu nunca li nenhum livro dessa autora, ja ouvi muita gente falar muito bem desse livro,eu li os 13 porquês e assisti a serie também, e ouvi dizer que esse livro era bem parecido com ele, mas agora lendo a sua resenha vi que a historia é completamente diferente, me simpatizei pela Valerie e imagino o quanto ela deve ter ficado confusa com tudo o que ocorreu e estou curiosa para saber se ela sabia o que o namorado ia fazer ou se foi só mais uma vitima.Esse livro ja vai para a minha lista rs espero que eu goste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, as estórias são diferentes, só possuem a mesma temática do suicido, mas na obra A Listra Negra, e desenvolvido de forma completamente distinta. Leia o livro acredito que você vai gostar. Beijos e abç.

      Excluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados

Topo