Resenha: livro "Nós matamos o cão tinhoso", Luís Bernardo Honwana

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "Nós matamos o cão tinhoso", escrito pelo moçambicano Luís Bernardo Honwana e publicado no Brasil em 2017 pela Editora Kapulana. A obra é composta por oito contos, sete já publicados em edições anteriores e um publicado pela primeira vez nessa edição. Um pouco sobre cada conto:

Resenha, opiniao, fotos, capa, citações, contos, literatura-africana, livro, Nós-matamos-o-cão-tinhoso, Luís-Bernardo-Honwana, kapulana
 "O Cão Tinhoso olhava-me com força. Os seus olhos azuis não tinham brilho nenhum, mas eram enormes e estavam cheios de lágrimas que lhe escorriam pelo focinho. Metiam medo aqueles olhos, assim tão grandes, a olhar como uma pessoa a pedir qualquer coisa sem querer dizer." (página 36)

 O primeiro conto é o que dá título ao livro. Com cerca de quarenta páginas e narrado pelos olhos de um menino, "Nós matamos o cão tinhoso" nos apresenta um grupo de estudantes que mora numa vila onde há um cão cheio de marcas e feridas (prefiro não revelar aqui o que causou essas marcas), e que por seu aspecto repulsivo e seus olhos muito expressivos, causa medo e repulsa nas crianças e nos outros cães. Somente uma das garotas da escola não o temia, e por mais esse motivo era considerada "ruim da cabeça". O título do conto já deve lhes dar uma ideia do que acontece, não é mesmo?! Mas não pensem que foi algo fácil, algo que não trouxe uma reflexão para os garotos, que não mexeu com eles de alguma forma.

 "Eu sabia que ele já sabia de muitas coisas para só querer o que qualquer cão podia ter. O Cão tinhoso devia estar à espera de qualquer coisa diferente do que os outros cães costumam ter" (página 44)

 "Inventário de imóveis e jacentes" é apenas a descrição de uma casa, com seus cômodos e móveis. E mesmo sendo apenas uma descrição de poucas páginas pelos olhos de um dos filhos do dono da casa, foi um dos contos que mais gostei. É uma casa pequena para o número de pessoas que abriga, uma casa simples, mas onde há livros. Em "Dina" somos apresentados ao árduo trabalho numa plantação de milho. Trabalho que fica ainda pior quando o capataz branco demora a chamar os trabalhadores para a hora do almoço. Mas o que os pobres trabalhadores poderiam fazer?

 "A velhota" é sobre um rapaz que depois de ser agredido, decide ir até a casa da mãe e dos irmãos mais novos. Lá, ele se sente dividido entre contar aos irmãos pequenos sobre a brutalidade que enfrenta e um fiapo de esperança de que o futuro seja diferente para os irmãos, que talvez eles não se revoltem como ele ao ser humilhado ou que talvez os mais novos vivam numa época melhor, sem sem tantas humilhações.

 "E precisava ir para casa para encher os ouvidos de berros, os olhos de miséria e a consciência de arroz com carril de amendoim." (página 81)

 "- Conta, conta! - e os miúdos rodeavam-nos na esteira.
Não, eu não contaria. Não fora para isso que viera para casa. Além disso, não seria eu a destruir neles fosse o que fosse. A seu tempo alguém se encarregaria de os pôr na raiva. Não, eu não contaria." (página 84)

 "Por que não acreditar em qualquer coisa de giro? Como por exemplo que a formação dos miúdos fosse diferente da minha e que lhes conferisse uma condescendência para com aquelas coisas, uma condescendência que as minhas coordenadas emocionais não comportavam... E que talvez, eu sei lá, que talvez para com eles o tempo obrigasse a mais compreensão, mais carinho, sim, a mais humanidade... Porque talvez a velhota tivesse razão, há o tempo, o tempo..." (página 85, "giro" significa interessante, bonito)

 "Papá, cobra e eu" volta a ser narrado por um garoto, em cuja propriedade há uma cobra que está causando problemas para a família. E veremos a aproximação do menino com o pai, que lhe dará sábios conselhos que talvez ele só compreenderá quando for maior.

 "- Meu filho, tem de haver uma esperança! Quando um dia acaba e sabemos que amanhã será tudo igualzinho, temos de ir arranjar forças para continuar a sorrir e continuar a dizer ‘isso não tem importância’. Ainda hoje viste o Sr. Castro a enxovalhar-me! Isso foi só um bocadinho da ração de hoje... Não, meu filho, mesmo que isto tudo só O negue, Ele tem de existir!...
 O Papá parou de repente e sorriu num esforço. Depois acrescentou:
 - Mesmo um pobre tem de ter qualquer coisa... Mesmo que seja só uma esperança!... Mesmo que ela seja falsa!..." (página 103)

 "- Sabes, meu filho, - o Papá falava pausadamente e gesticulava muito antes de cada palavra - sofre-se muito... Muito, muito, muito!... A gente cresce com muita coisa cá dentro mas depois é difícil gritar, tu sabes...
[...] Quando um cavalo endoidece dá-se-lhe um tiro e tudo acaba, mas aos cavalos mansos mata-se todos os dias. Todos os dias, ouviste? Todos , todos, todos enquanto eles se aguentarem de pé!..." (página 104)

 "As mãos dos pretos" traz a curiosidade de um garoto em entender o motivo de as palmas das mãos dos negros serem mais claras que o restante do corpo. Curiosidade que gera muitas histórias com visões diferentes, algumas bem racistas, mas é a explicação da mãe que mais vai tocar o garoto.

 "Pois olha: foi para mostrar que o que os homens fazem, é apenas obra de homens... Que o que os homens fazem é feito por mãos iguais, mãos de pessoas que se tiverem juízo sabem que antes de serem qualquer outra coisa são homens." (página 109)

 "Nhinguitimo" começa falando sobre pássaros, depois nos mostra como os sonhos de prosperar através do trabalho duro poderia ser destruído pela ganância dos que já tinham dinheiro.

 "- Matchumbutana... - Vírgula Oito falava lentamente, titubeante - Matchumbutana... Eu nasci naquela terra... O meu pai também nasceu lá. Toda a minha família é do Goana... Os meus avós todos estão lá enterrados... Maguiguana, o Lodrica tem lojas, tem tratores, tem machambas grandes... Por que é que ele quer o nosso sítio? Por quê?" (página 128)

 "Rosita, até morrer" é o último conto do livro, um extra publicado na edição da Kapulana, e é uma carta de Rosa para Manuel, o pai de sua filha. Rosa não escreve usando a grafia correta das palavras, mas faz o possível para mostrar para Manuel que se lembra dele e que ficaria contente se pudesse vê-lo novamente, já que faz tempo que ele a abandonou. É um conto tocante.

 "Quando tu quer tu vem escançar, só escançar, conhecer tua filha comer os ovo com galinha, com cabrito quando vocé guenta, beber ucanhi nas família da terra, tomar banho no rio, dançar xingombela no casa de N’Dlamini, mais nada. Quer? Vocé vai pruguntar as pessoa que anda aqui a falar assim: O! Manuel tem esta nossa pele mas agora é branco, comprou ser branco nos papel, esquenceu os vovô dele que morreu, esquenceu filha dele que nasceu, esquenceu terra, esquenceu tudo. Eu diz é mentira, Manuel não pode esquencer. As pessoa ri, as pessoa diz eu não sabe, as pessoa diz cada vez eu é polícia também. Vocé é? O, vem dizer mesmo! Depois vocé vai tembora quando não gosta ficar aqui fazer machamba, ensinar as pessoa no escole de noite que voces tinha na casa de Mussá. Vocé vai, eu não vai agarar vocé, só vai chorar mesmo." (páginas 140 e 141)

Resenha: livro "Nós matamos o cão tinhoso", Luís Bernardo Honwana

 Considerações gerais: O livro "Nós matamos o cão tinhoso" foi publicado pela primeira vez em 1964, e no mesmo ano o autor Luís Bernardo Honwana foi preso pela sua militância em prol da independência de Moçambique, até então uma colônia Portuguesa. A obra é considerada uma das mais importantes da literatura moçambicana e africana, e talvez vocês saibam que Moçambique é um dos países onde se fala o Português (além de outras línguas nativas).

 Foi interessante notar a diferença entre o Português falado e escrito lá em Moçambique nos anos sessenta e a forma como o falamos nos dias atuais. Percebi que inúmeras palavras que vejo conhecidos com mais idade usando e que eu até achava que eram "erradas", são apenas palavras que foram sendo menos usadas com o tempo. Além de algumas notas de rodapé para ajudar o leitor a entender certos termos, pesquisar no dicionário outras palavras que aparecem no texto pode auxiliar o leitor a compreender melhor as histórias.

 Por ser uma obra com um certo contexto histórico e pelo fato de eu amar contos, estava com expectativas elevadíssimas, e confesso que a leitura não alcançou minhas expectativas, talvez pelo choque entre a cultura em que vivo e a encontrada nos contos. Ainda assim, é um livro que vale a pena ler para conhecer mais da realidade de Moçambique de décadas atrás, e entender melhor as relações de poder entre colonizadores e colonizados. No final do livro há um artigo contextualizando um pouco a obra, e foi interessante para mim encontrar interpretações diferentes das minhas para alguns contos. Falando em interpretações, se vocês pesquisarem no Google pelos títulos ou trechos dos contos presentes na resenha, encontrarão várias análises deles (bem mais estendidas que meus pequenos comentários), o que mostra a relevância da obra.

 Enfim, entre traquinagens de crianças, trabalho árduo em plantações, conflitos entre brancos e negros, entre colonizadores e nativos, e sonhos desfeitos frente à dureza da realidade, "Nós matamos o cão tinhoso" é um livro válido para entendermos um pouco mais da cultura africana, uma cultura que também chegou até o Brasil, ainda que para mim, mulher, jovem, mineira e branca, seja uma realidade muito distinta da minha.

nós-matamos-o-cão-tinhoso, editora-kapulana, livro-famoso, africa
Resenha: livro "Nós matamos o cão tinhoso", Luís Bernardo Honwana


 A edição da Kapulana tem uma capa condizente com a obra, páginas amareladas, boa revisão e diagramação com margens, espaçamento e letras de bom tamanho. Me contem: gostaram da resenha? Já conheciam a obra? Qual conto lhes chamou mais a atenção?

 Detalhes: 145 páginas, ISBN-13: 9788568846308, Skoob. Compre online na loja da editora.


 Se ainda não é inscrito no canal, clique aqui e se inscreva, aproveita que está rolando sorteio de um kit maravilhoso da TAG Experiências Literárias, vem participar. Falando em sorteio, corre lá no Instagram para participar do sorteio de um livro muito lindinho. Agora, se você está preocupado com o tanto de livro que ainda tem pra ler, clique aqui e dê uma olhada nesse desafio literário que pode te ajudar nessa missão.

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

33 comentários

  1. Boa tarde, como vai? Confesso que ainda nao conhecia esse livro, mas gostei bastante da sua resenha. beijos

    ResponderExcluir
  2. não é um dos meus gêneros preferidos, mas pela a sua resenha, parece ser maravilhoso! Tu escreve super bem, guria! Amei! Bjos, Marinspira <3

    ResponderExcluir
  3. Oi, como vai?

    Confesso que não senti muita curiosidade para ler, quando se trata de contos, eu fico um pouco com o pé atrás em alguns assuntos, porém, parece mesmo ser um livro interessante para quem gosta desse tipo. Gostei muito de sua resenha, inclusive!

    Beijinhos,
    https://literaleitura2013.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?
    Confesso que ainda não conhecia a obra, gostei. Achei a resenha muito interessante, você descreveu o conto maravilhosamente bem. O que me chamou mais a atenção foi "As Mãos dos Pretos".
    Beijosssssss

    ResponderExcluir
  5. Sua resenha ficou maravilhosa, e o melhor me deixou com vontade de ler, ja coloquei na minha lista aqui , adorei bjos lindona

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro e com toda sinceridade não sei se pegaria para ler no atual momento. Gostei da sua resenha, das fotos e principalmente por ter colocado citações/quotes. Parabéns!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Não é uma temática que costumo ler e apreciar, mais, achei muito interessante pela sua resenha, que foi bem completa!

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia o livro, mas curto contos, então me chamou atenção. Gostei dos resumos dos contos, gosto dessa capacidade de em poucas páginas fazer o leitor refletir.
    Nunca li nada da literatura moçambicana e essa apresentação de um português diferente do nosso diario torna a leitura ainda mais rica. Uma ótima dica, mesmo não tendo alcançado todas as suas expectativas.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Sem tempo pra leituras, mas gostei de ler a sua resenha que ficou muito boa, talvez esse livro não faça muito bem a minha cabeça, pois não é o estilo que gosto de ler, mas a sua resenha ficou bem legal e quem curte esse tipo de leitura com certeza terá uma ótima opção

    Bjs (•_•)

    ResponderExcluir
  10. Adorei a resenha... Amo contos... Essa linguagem... achei tudo muito teatral no melhor sentido da palavra... super quero ler!!!

    ResponderExcluir
  11. adorei a resenha ficou bem completa gostei bastante de conhecer o livro eu adoro contos esse foi pra lista
    BLOG♥ Coisas da bueno

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia esse livro. Leio poucos livros de contos. Mas daria uma chance a esse só para notar essa diferença no português que você falou.

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem? Uau, que bacana esse livro, eu não conhecia! Fiquei mais curiosa ainda pra ler pelo fato de podermos conhecer melhor a cultura africana, pois acho que nunca li livros que falassem disso. Ótima resenha!

    Beijos,
    https://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Como eu não conhecia essa obra? Preciso dela para agora, principalmente por ser de um autor que só vejo bons comentários na faculdade. Quero muito ler o conto a respeito das mãos dos negros, essa edição é linda.

    ResponderExcluir
  15. Olá! Eu acho muito legal conhecer autores de outros países, eu não sabia que em Moçambique eles falavam português, e esses contos parecem tão simples, mas com a sua resenha me deu muita curiosidade de ler. Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  16. Não conhecia o livro. Muito boa resenha !!! Mesmo não sendo o tipo de leitura que curto, me interessei em ler.
    besitos

    ResponderExcluir
  17. Apesar de não ter suprido suas expectativas eu fiquei curiosa com ele sabe? eu adoro livros de contos e mais ainda de culturas diferentes, tai um livro que eu quero ler.

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bem?
    Não gosto muito de ler contos, mas esse livro me deixou bastante curiosa, vou procurar mais sobre ele.

    Beijinhos,
    http://livroseimaginacoes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  19. Quando vi o título e a capa do livro em um outro lugar, não achei que tivesse qualquer relação com Moçambique e fiquei relativamente curiosa para ler. Por certo também rolaria o choque cultural comigo, mas acho que esse choque é necessário para que possamos amadurecer.

    Beijos,
    Degradê Invisível

    ResponderExcluir
  20. Oi, tudo bem? Eu não conhecia o livro e gostei de saber que ele é africano, gosto muito de livros que me promover um choque de cultura, geralmente, são os que mais gosto, justamente por causa do estranhamento e, depois, do aprendizado (daí, não entendi o porquê você diz que por causa disso acabou não aproveitando tanto a leitura; mas entendo que cada um é cada um). Com certeza leria. Os contos parecem bem diferentes entre si, mas achei legal conhecer mais dessa cultura a partir de assuntos tão diferentes. Gostei muito da sua resenha!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coisas que são comuns pros personagens mas que podem me desagradar muito, ou vice-versa.

      Excluir
  21. Não conhecia a obra, mas sua resenha me deixou bem curiosa.
    Os contos que mais me chamaram atenção foram "Nós matamos o cão tinhoso" e "As Mãos dos Pretos".
    Espero ler em breve!

    ResponderExcluir
  22. Ainda não tive oportunidade de ler sobre a cultura de moçambique e achei bem interessante este livro nos apresentar um pouco da história deste povo. fico imaginando o choque conforme você ia lendo, pois se hoje já teríamos um choque de realidade, imagine então com os fatos de tantos anos atrás.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  23. Oie
    ADorei tua resenha. Não conhecia esse livro, achei a capa linda e, apesar de amar de contos, não me interessei por esse livro. Sinto por a leitura não ter atingido suas expectativas, passei por isso recentemente.
    Bjos, Bya! 💋

    ResponderExcluir
  24. Oi Maria! "Nós matamos o cão tinhoso", "Inventário de imóveis e jacentes" e a
    "A velhota" foram os que achei mais interessantes. Já li um livro de Ondjaki, que é de Luanda, gostei do estilo e acho que por esse motivo me interessei por esse de contos.

    Nara Dias
    Viagens de Papel

    ResponderExcluir
  25. Nunca li um livro em português de Moçambique, mas já li alguns com o de Portugal e a diferença atrapalha um pouco. Fiquei curiosa com a leitura desse livro, mas acho que o idioma poderia incomodar um pouco mesmo. Gostei da sua resenha e de conhecer um pouco sobre os contos.

    ResponderExcluir
  26. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas, apesar de ter gostado da premissa de alguns dos contos, não fiquei muito interessada em ler. Eu não gosto da estrutura de contos, prefiro romances onde há um maior desenvolvimento da trama e dos personagens.
    Porém, achei muito interessante por mostrar mais sobre a cultura africana. Tenho certeza que, para quem gosta de contos é uma ótima indicação.Além disso, adorei sua resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  27. Olá, tudo bem?
    Não conhecia o livro nem o autor, mas parece ser uma leitura interessante do ponto de vista cultural. Não leria como um livro de passa tempo, mas por conta de saber mais sobre a cultura africana. Adorei a resenha! Bjo
    http://colecionandoromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. Oie, tudo bom?
    Não conhecia esse livro nem o autor, mas eu não curto livros de contos, acho massante, e não me deixa com vontade de concluir a leitura. Por ser ambientando tão bem, talvez eu daria uma chance como livro de cabeceira.

    ResponderExcluir
  29. Olá!
    Achei a capa bem interessante, mas ao ler sua resenha não senti muita afinidade com a leitura. Gosto do contexto histórico mas em romances e em alguns clássicos. Acredito que pela forma como foi colocado e com animais de estimação não me despertou a curiosidade. Alias nada que envolva bichinhos me atrai, só de pensar neles sofrendo de alguma forma que seja já me despedaça.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  30. Eu sou apaixonada por livros de contos e esse parece ser demais, adoro autores de moçambique, parece que eles trazem um q de diferente na sua escrita, gosto muito do conto a velhota e a edição está fascinante.
    Bjs

    ResponderExcluir
  31. Parece ótimo! e sua resenha também muito boa ao fazer citações, me instigou a querer este livro!!!
    https://heftmaker.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  32. Que legal, não conhecia o livro mas parece muito legal <3

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados

Topo