Comprei um Kindle: unboxing e primeiras impressões

 Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje venho contar para vocês que comprei um Kindle, o leitor de livros digitais da Amazon, e falar sobre o que estou achando dele. Vocês podem apertar o play para conferir o unboxing (gravei abrindo a caixa no trabalho mesmo, estava muito curiosa para ver como ele era e já ligar, desculpem qualquer bagunça, rsrs obviamente derrubei um monte de coisas da mesa) e ver como ele veio bem embalado e conferir minhas primeiras impressões ou continuar lendo para ver minha opinião:



 Eu baixei o programa gratuito do Kindle no meu computador e o aplicativo (também gratuito) no celular em 2016, eu acho, e desde então, sempre fico de olho nos e-books gratuitos e nas promoções no site da Amazon. Com isso, já tenho mais de MIL e-books baixados (de forma legal). O problema é que não li nem 10% deles, pois gosto mais dos livros físicos, sempre uso o computador para outras coisas que não sejam a leitura, o celular tem uma bateria com duração vergonhosa além da tela pequena e dos outros aplicativos que sempre causam distrações. Até lia num tablet baratinho que comprei há alguns anos, mas além da concorrência com a minha sobrinha que ama ele por causa do Pou, o tablet parou de atualizar mostrando os novos e-books que baixo.

 Dia desses, acabei olhando no site da Amazon e vi que dava para comprar o Kindle parcelado em até 12 vezes e sem juros, e a parcela caberia no meu bolso. Continuei pesquisando e vi que o Kindle Paperwhite seria mais interessante para mim por ter uma iluminação embutida para ler em ambientes escuros que o Kindle comum não tem. Pensei, pensei, e comprei!

O-que-vem-na-caixa-do-kindle
O que vem na caixa.

 Meu Kindle chegou dentro do prazo, bem embalado, e como eu mostro no vídeo, ligá-lo e configurá-lo é rápido e simples. O que me chamou a atenção logo de cara é a leveza do Kindle, ele é muito leve. Por já ter tido uma experiência com um tablet branco, optei pelo Kindle preto.

 Passei uns três meses para chegar em 20% da leitura de "Romance em San Marino II" lendo pelo celular, em um dia lendo pelo Kindle, já cheguei em 40%, ou seja, a leitura fluiu bem mais! A tela, diferente da tela do celular ou do tablet, realmente não cansa a vista e proporciona uma leitura muito confortável, com a possibilidade de aumentar ou diminuir o tamanho da letra e o brilho.

 Dá para entrar na internet pelo Kindle, o navegador dele é bem básico, mas quebra um galho. Ele vem com um dicionário, você pode clicar em uma palavra e ver o significado dela. A bateria dura mesmo muito tempo!

Dicionário-kindle-paperwhite
Exemplo do dicionário do Kindle.

 A única desvantagem que encontrei entre o Kindle e o aplicativo do celular ou tablet, é a ausência de cor, o fato de ser preto e branco. Sou uma pessoa que ama cor, então, ver todas as capas em preto e branco é algo que acho feio, mas não é nada que atrapalhe a leitura.

kindle-paperwhite-amazon
Capas em preto e branco no Kindle

 Comprei o Kindle Paperwhite na promoção, por R$399,00, hoje ele não está na promoção e o valor está um pouco mais alto, mas é só ficar de olho para ver quando preço baixar. Não achei necessário comprar o adaptador de tomada nem a capa.

 Ganhei um mês de Kindle Unlimited gratuito, esse serviço de assinatura é uma espécie de Netflix de e-books, onde por R$19,90 você pode ler o quanto conseguir do catálogo que conta com mais de um milhão de títulos de editoras e autores independentes. Depois eu conto para vocês o que li no Kindle Unlimited pelo Kindle, pois quando assinei o serviço por três meses pelo celular/tablet/computador, acabei não finalizando nem um e-book!

 Então, minhas primeiras impressões do Kindle Paperwhite são totalmente positivas e estou bem satisfeita com a compra. Ainda continuo preferindo os livros físicos, mas há títulos que a gente só encontra em e-book. Finalizo o post lembrando que você pode fazer uma conta na Amazon e baixar o programa ou o aplicativo totalmente de graça, que sempre há e-books gratuitos para ler e que não precisa ter o dispositivo para assinar o Kindle Unlimited.

 * Para comparar os preços e os modelos de Kindle, acesse a página de dispositivos Kindle: https://amzn.to/2xgkgXZ.
 * Para baixar os e-books gratuitos, acesse a página dos 100 mais baixados gratuitamente: https://amzn.to/2J8iGfC.
 * Para assinar o Kindle Unlimited (e-books da série Harry Potter, Orgulho e Preconceito, Clube da Luta e O Conde de Monte Cristo são alguns dos títulos disponíveis), acesse: https://amzn.to/2s8FP7N (é possível testar o Kindle Unlimited gratuitamente por 30 dias, APROVEITEM!).

 Me contem: vocês têm ou querem ter um Kindle? Ficaram com alguma dúvida? Me recomendam algum e-book disponível no Kindle Unlimited?

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

Envie seu conto para a antologia O Canto dos Contos

 Olá pessoal, tudo bem? Esse post é para os leitores do blog que também gostam de escrever. A nossa parceira Lura Editorial está recebendo contos para compor a antologia "O Canto dos Contos", que será organizada pelo escritor e youtuber Daniel Moraes.

Envie seu conto para a antologia O Canto dos Contos

 Os contos podem ter até 10.000 caracteres e precisam ser do gênero ficção romance (romance contemporâneo, chick-lit, dramático e histórico, e correlatos).

 O envio dos textos pode ser feito até o dia 31/05.

A editora fará o lançamento da Antologia na 25ª Bienal do Livro de São Paulo, contando com um bate-papo e sessão de autógrafos.

 Para saber como enviar o seu conto e qual será o custo da participação na antologia, confira o edital: bit.ly/Antologia1Lura .

 Uma coisa é certa: a antologia contará com uma capa linda! Já estou encantada por ela! E vocês?

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

Resenha: livro "Loucamente Sua", Rachel Gibson

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "Loucamente Sua", escrito pela Rachel Gibson e publicado no Brasil pela Geração Editorial no Selo Jardim dos Livros em 2012.


 Pense numa cidade onde a fofoca rola solta! Ainda havia mais fofoca na pequena Truly, para onde a cabeleireira Delaney voltou após quase doze anos para o enterro do padrasto, Henry Shaw

 Henry era casado e engravidou a mãe de Nick mas não assumiu o filho. Se separou e continuou renegando Nick. Casou com a mãe de Delaney e levou as duas para a cidade, onde era o prefeito. Delaney cresceu tento que se encaixar no que a mãe e o padrasto queriam que ela fosse, o que era bem diferente do que ela queria ser. Nick cresceu vendo o pai não lhe dando amor, mas tratando Delaney como uma princesinha. Desde criança, Nick tratava Delaney de forma inconstante: esvaziava os pneus da bicicleta dela e depois resolvia acompanhá-la até em casa, livrava-a de companhia indesejada e depois lhe dizia coisas horríveis. Até que a jovem decidiu se rebelar e fazer o que quisesse da própria vida, coisas que garotas de dezoito anos que não eram filhas do prefeito faziam, e foi Nick, o bad boy da cidade, o seu parceiro de rebeldia, mas aquela noite não acabou como o esperado e Delaney saiu de Truly após se desentender com o padrasto e a mãe por causa de Nick Allegrezza, levando um coração machucado e deixando um rastro de fofoca atrás de si.

 "- Espero que sim e, pelo amor de deus, fique longe de Nick Allegrezza.
 Três milhões de dólares, ela disse para si mesma. Eu posso fazer isso por 3 milhões." (página 167)

 Quando o testamento de Henry foi lido, Delaney descobriu que se quisesse sua parte da herança teria que passar um ano em Truly, supostamente para cuidar da mãe. Nick também foi mencionado no testamento: para receber algumas propriedades, não poderia ter relações sexuais com Delaney por um ano. Ambos sabiam que foi só mais uma tentativa de Henry de controlar suas vidas mesmo depois de morto. Será que Delaney aguentaria ficar doze meses na cidadezinha em companhia da mãe que vivia se metendo na vida dela e perto de Nick que lhe magoou tanto no passado? Tudo bem que ele tinha fama de mulherengo, mas será que tinha algum interesse nela para arriscar sua parte na herança? É o que descobriremos durante a leitura.

"- Você costumava ser mais divertida.
 - Quando?
 - Quando ficava de olhos arregalados, e louca, e parecia que queria me acertar, mas era tão boa menina que não conseguia. Seu maxilar ficaria trincado e seus lábios enrugados. Na época da escola, tudo o que eu tinha que fazer era olhar para você, e você saía correndo.
 - Isso é porque você praticamente me deixou inconsciente com uma bola de neve.
 A testa dele franziu e ela se alinhou.
 - Aquele negócio da bola de neve foi um acidente.
 - Mesmo, qual parte? Quando você fez uma boa de neve, ou quando você acidentalmente a jogou em mim?
 - Eu não queria te acertar com tanta força.
 - Por que você jogou a bola em mim?
 Ele pensou por um momento, depois respondeu:
 - Porque você estava á.
 Ele revirou os olhos.
 - Brilhante, Nick.
 - É verdade.
 - Vou me lembrar disso da próxima vez que vê-lo numa calçada e meu pé sentir vontade de te dar um chute no traseiro.
 Seu sorriso mostrava os dentes brancos.
 - Você se tornou muito espertinha depois que saiu daqui.
 - Eu me tornei eu mesma." (página 182)

 "Loucamente Sua" foi o meu primeiro contato com a escrita da Rachel Gibson, uma escrita fluida que nos permite ler várias páginas rapidamente. Coloquei o livro no meu desafio de desencalhar 12 livros em 2018 no tema livro engraçado ou divertido, pois achava que era um chick lit, encontrei sim algum humor, mas não foi uma leitura com cenas que me fizeram rir como espero de um chick lit. Pesquisando, vi que o livro foi lançado nos anos noventa, e é possível perceber mudanças no estilo, nos gostos e no modo de vida da época em que a história se passa em comparação com os dias de hoje, um exemplo: a cidade toda implicando com Delaney por ainda não ter se casado e nem tido filhos aos vinte e nove anos.

 Imagino o quanto foi difícil para Delaney crescer tendo que vestir as roupas e calçar os sapatos que os pais queriam, sem sequer poder decidir para qual faculdade iria, sem poder ser ela mesma. O amor na família Shaw não era um sentimento natural, poderia ser perdido se Delaney se comportasse de forma diferente do esperado. Henry e a esposa eram o tipo de pessoa que se considera o centro do mundo, como se tudo o que importa fosse a reputação e a opinião deles. Imagino como deve ter sido triste para Nick ser rejeitado pelo pai, crescer sem o amor dele. Nick estava acostumado a ter mulheres dizendo que lhe amavam quando tudo o que amavam era o seu corpo. Ele achava que Delaney o desprezava como Henry, e ela pensava que ele não gostava dela pelas constantes provocações. Delaney já havia deixado Truly há anos atrás e provavelmente deixaria a cidade ao final daquele ano e Nick tinha medo de ter que lidar com sua partida novamente.

 Eu consegui entender os sentimentos dos personagens principais e simpatizei com os secundários, como a melhor amiga de Delaney e o irmão, a mãe e a sobrinha de Nick, gostei também da forma como o amor da protagonista pelo seu trabalho como cabeleireira é mostrado. O livro foi bom, mas não tanto quanto eu esperava. A narração é feita em terceira pessoa, e talvez se tivesse mostrado um pouco mais dos sentimentos do Nick, pudesse ter me agradado mais. A má revisão dessa edição acabou prejudicando um pouco a leitura, cansei de ver a palavra "ela" sendo repetida em todo início de frase (como comentei lá na resenha de "Jack, o Estripador", pode ser uma marca do idioma inglês, mas que poderia ter sido alterada na tradução). Ainda assim, pretendo ler mais livros da autora.

Loucamente-Sua, Rachel-Gibson
Resenha, diagramação, foto, livro, Loucamente-Sua, Rachel-Gibson, Jardim-dos-livros

 A edição tem uma capa bonita, que acredito representar Delaney e seu gosto por sapatos e roupas que chama a atenção em Truli. Temos páginas amareladas e diagramação com margens, espaçamento e letras de bom tamanho. Fica a sugestão para quem gosta de romances onde os protagonistas tem um passado mal resolvido em uma cidade onde rola muita fofoca!

 Detalhes: 344 páginas, ISBN-13: 9788563420282, Skoob. Curiosidade: uma das músicas citadas no livro (e que conheci através dele) é "I've Been Loving You Too Long" (em tradução: Eu Te Amo Há Muito Tempo), recomendo que ouçam na versão do Otis Redding e do Seal. Compre na Amazon:

 Por hoje é só, espero que tenham gostado do post. Me contem: já conheciam o livro ou a autora? Me recomendam algum outro livro dela?

* Clique aqui e saiba como participar do Top Comentarista de Maio.

Ps.: tem sorteio valendo livro da DarkSide, clique aqui para participar.

 Clique aqui e participe de todos os sorteios que estão rolando no blog.

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

Resenha: livro "Poemas ao desabrigo", Raul de Taunay

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "Poemas ao desabrigo", escrito pelo Raul de Taunay e publicado em 2016 pela editora 7Letras.

Poemas-ao-desabrigo, Raul-de-Taunay

 Como o nome já sugere, é um livro de poesias, com mais ou menos oitenta poemas de diferentes formas e tamanhos: alguns com poucas linhas, outros com mais de uma página, alguns com estrofes, outros apenas com versos, sonetos, entre outros formatos de poemas.

 O autor é diplomata, e na data da publicação do livro, estava trabalhando no Congo. Alguns de seus poemas expressam essa realidade de se estar longe do Brasil, como Carnaval na Ásia (páginas 28 e 29), imaginem como deve ser estar acostumado à folia no nosso país e estar do outro lado do mundo mas com a cabeça pensando na festa no Brasil...

 Essa sensação de alguém habituado a ir de um país para outro, de uma terra à outra, é uma que também se destaca na obra, que traz ainda descrições da natureza com sua mudança de estações, além da mudança e do amadurecimento do ser humano ao longo do tempo, um sentimento que o autor expressa bem após mais de seis décadas de vida. Há também poemas do tipo que mais gosto e admiro quem consegue os escrever: os que contam histórias através dos versos, como "Tocaia" na página 101, sobre um boêmio carioca.

 Meus poemas favoritos foram "A tristeza da partida" ("Seguir, pois ficar não traz nada,/ Infeliz quem naufraga,/ Sem a obra cumprir.", página 13), "Soneto ao Rio Doce" (sim, temos um soneto sobre o vazamento de lama que prejudicou o rio, na página 92), "Lamentares" ("Quisera encontrar os anjos,? Ouvir que o meu caso/ Não é exclusivo./ Escutar que há outros/ Em busca de abrigo.", página 55), "Rindo da Vida ("Vençamos os cabelos brancos,/ Os desencantos, os desenganos, rindo.", página 82) e "Arado" (página 22), que tomo a liberdade de postar na íntegra na foto abaixo:

Arado, Poemas-ao-desabrigo, Raul-de-Taunay, 7letras, resenha, livro, poesias,
"A cada dia me descubro
em alguém que desconheço:
Era falante, hoje sou calado,
Agora quieto, antes agitado,
Buscava encontrar o mundo,
No presente, dele me afasto,
Procurava incendiar a alma,
Atualmente, vou sossegado.
Não sou mais o que sonhei?
Não importa, estou vacinado."
Poemas-ao-desabrigo, Raul-de-Taunay, 7letras, resenha, livro, poesias, capa

A edição traz uma capa feita través de uma foto que me agradou bastante, páginas amareladas, boa revisão, letras, margens e espaçamento de bom tamanho.

 Detalhes: 112 páginas, ISBN-13: 9788542105223, Skoob. Onde comprar online: Amazonloja da editora.

Enfim, fica a recomendação para quem procura por um livro de poesias que tem tudo o que é necessário no gênero: bom vocabulário, boa sonoridade, boas temáticas e bons formatos. Por hoje é só, espero que tenham gostado do post, me contem: já conheciam o livro ou o autor?

 Ps.: tem sorteio valendo livro da DarkSide, clique aqui para participar.

 Clique aqui e participe de todos os sorteios que estão rolando no blog.

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

Resenha: livro "Como se vingar de um cretino", Suzanne Enoch

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "Como se vingar de um cretino", escrito pela Suzanne Enoch e publicado em 2018 pela editora Harlequin.

Diagramação, Como-se-vingar-de-um-cretino, Suzanne-Enoch, Harlequin, romance-de-epoca, capa, sinopse

 Georgina, ou simplesmente Lady Georgie, estava cansada de ver Tristan Carroway, o visconde de Dare, se comportando mal com as jovens da sociedade londrina. Seis anos atrás, em sua primeira temporada, ela foi uma de suas vítimas: acreditou que Tristan nutria sentimentos por ela para depois descobrir que tinha sido apenas o alvo de uma aposta que quase arruinou sua reputação. Desde então, Georgina não perdia uma oportunidade de pisar nos pés de Tristan ou de quebrar um de seus leques nas mãos dele, agressões que o visconde parecia achar merecidas pelo que fez no passado, já que, no máximo, lhe comprava um novo leque para substituir o quebrado.

 As pequenas discussões entre os dois eram vistas como uma tradição na sociedade da época, nada que causasse um grande problema, visto que Tristan era o melhor amigo de Grey, filho da tia com quem Georgina morava, e Georgina tinha muito carinho por Edwina e Milly, as duas tias de Tristan.

 Mas quando Georgina vê que Amelia, uma garota muito jovem, pode ser a próxima vítima que terá seu coração destroçado por Tristan, ela decide que é hora de ensinar uma lição ao visconde de Dare, uma lição para que ele prove do próprio veneno ao se interessar por Georgina e ser dispensado. Então, Georgina começa a fazer o possível para agradar Tristan, para que ele pense que foi perdoado e que Georgina sente algo por ele e se interesse por ela. Só que as coisas não sairão como o planejado...

 Tristan tem 30 anos e precisa se casar urgentemente com uma mulher rica, pois a situação financeira da família está muito ruim. Ele precisa cuidar das duas tias idosas e dos quatro irmãos: Robert (que está tendo problemas para se readaptar à vida em sociedade após ter participado da guerra contra Napoleão)Bradshaw (que busca crescer na Marinha, e se não der certo, pretende ser um pirata), Andrew (que tem 17 anos e está no colégio) e Edward, um garotinho fofo carinhosamente chamado de Nanico. Uma família e tanto! Amelia parece ser uma boa escolha de esposa, visto que tem um belo dote, mas quando Georgina se aproxima dele, ter olhos para Amelia é quase impossível. Nem Georgina nem Tristan são os mesmos de seis anos atrás! Quem vencerá dessa vez? Georgina? Tristan novamente? Ou as tias do visconde que, acreditem se quiserem, também estão na jogada?

 "- Então, como foi que ganhei de seus outros pretendes? - perguntou Tristan, guiando-a pela parte menos tumultuada do salão.
 - Não posso mandá-los para o inferno se me irritarem - respondeu ela prontamente. - Com você, não me importo em fazê-lo." (página 185)

 Eu comecei a ler "Como se vingar de um cretino" sem expectativa alguma, mas já nas primeiras páginas fui surpreendida positivamente pelo ritmo da história, li quase quarenta páginas em pouco tempo (um dos motivos para o título entrar na minha lista de "Livros para se ler em um dia") e fui cativada pelos personagens. Achei muito interessante termos dois protagonistas que já se conheciam há algum tempo e que viviam trocando farpas. Tristan no início era uma incógnita. A forma como ele enganou Georgina no passado foi realmente digna de um cretino! Mas aí a gente vai conhecendo ele aos poucos, e a dedicação e o carinho que Tristan tem pelos irmãos e pelas tias é admirável. E ele é sedutor, com sua "fala arrastada"... aquele capítulo dez é uma prova de como esse homem pode ser convincente!

 "Conciliar os dois lados de Tristan Carroway estava se tornando confuso: ele parecia tão zeloso com relação aos irmãos e às velhas tias, mas, quando se tratava de mulheres como Amelia, comportava-se como um libertino sem coração.
 Qual dos dois era o verdadeiro lorde Dare? E por que ela estava fazendo aquela pergunta, quando sabia a resposta?" (página 58)

 "Como se vingar de um cretino" é um livro com um enredo muito bom e com personagens ótimos, onde até o mordomo do visconde (com seu hábito de tirar cochilos durante o horário de serviço) é interessante. As amigas de Goergina, a relação dela com a tia Frederica, o primo e a esposa e a relação entre a família Carroway são pontos altos da trama, especialmente as confusões na casa do visconde (como esquecer a cena em que Tristan quase leva uma flechada na testa ao abrir a porta onde os irmãos e os criados testavam um arco já que ele havia proibido o uso de pólvora dentro de casa?).

 O livro foi um dos melhores romances de época que já li, pelos personagens, pela história, pela escrita super fluida da Suzanne Enoch (esse foi meu primeiro contato com ela), por ter me feito rir em inúmeras cenas e por ter me permitido mergulhar nessa história. Super recomendo!

"- Ah, eu gostaria de ser pirata - revelou Edwina. - Todos poderíamos usar calças e falar obscenidades.
 - Sim! - Edward galopou até a tia. - E Dragão pode ser o mascote do navio!
 - Dragão? - perguntou Emma, rindo.
- Meu gato - explicou Edwina.
 - E eu poderia cavalgar meu pônei no convés!
 - Meu senhor - exclamou Georgina, engasgando e rindo até ficar sem ar -, seríamos o tormento dos sete mares.
 - Nós seríamos a piada dos sete mares, quer dizer - corrigiu Tristan, o coração acelerando ao ver o riso dela.
 - Bem, se meu almirante ficar sabendo que meu primeiro navio contará com gatos, pôneis e tias de calças, é melhor mesmo eu virar pirata - disse Bradshaw secamente. - Suponho que a senhora vai querer bordar nosso símbolo do crânio com os ossos cruzados, tia Milly?
 - Ah, certamente não. Não um crânio. Talvez uma xícara de chá. É muito mais civilizado.
 Até mesmo Frederica estava rindo agora." (página 235)

Diagramação, Como-se-vingar-de-um-cretino, Suzanne-Enoch, Harlequin, romance-de-epoca, capa, sinopse
Diagramação, Como-se-vingar-de-um-cretino, Suzanne-Enoch, Harlequin, romance-de-epoca

 A capa bonita inova ao trazer um homem e não uma mulher em destaque, as páginas são amareladas, há poucos erros de revisão, a diagramação tem letras, margens e espaçamento de bom tamanho. E cada capítulo começa com um trecho de uma peça de Shakespeare. (Essa resenha já devia ter saído há alguns dias, mas esse é um livro inexplicavelmente difícil de fotografar, as fotos da resenha foram o melhor que consegui.)

 Detalhes: 288 páginas, ISBN-13: 9788539825967, Skoob. Curiosidades: pesquisando, vi que a autora também escreveu um livro sobre o Grey, primo da Georgina, e que faz parte de outra série, e que temos mais dois livros dessa série Lessons in Love, cada um protagonizado por uma das amigas da Georgina, e para quem gostou do Robert, um dos livros é com ele. Estou na torcida para que a Harlequin publique-os no Brasil. Compre na Amazon:

 Por hoje é só, espero que tenham gostado do post. Me contem: já conheciam o livro ou a autora?
* Clique aqui e saiba como participar do Top Comentarista de Maio.

Ps.: tem sorteio valendo livro da DarkSide, clique aqui para participar.

 Clique aqui e participe de todos os sorteios que estão rolando no blog.

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

Resenha: livro "A Parte Que Falta encontra O Grande O", Shel Silverstein

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "A Parte Que Falta encontra O Grande O", escrito e ilustrado pelo Shel Silverstein e publicado em 2018 pelo selo Companhia das Letrinhas. Vocês podem apertar o play e conferir a resenha em vídeo ou continuar lendo:



Resenha, livro, A-Parte-Que-Falta-encontra-O-Grande-O, Shel-Silverstein, Companhia-das-Letrinhas, livro infantil

 Me lembro que há algumas semanas a expressão "A Parte Que Falta" entrou nos Trends Topics do Twitter por causa de um vídeo da Jout Jout, eu sabia que era sobre um livro mas não dei muita atenção/não fui procurar saber mais. Até que, esses dias, chegou na minha casa um pacote do Grupo Companhia das Letras, onde veio a continuação de "A Parte Que Falta": o livro "A Parte Que Falta encontra O Grande O".

 Continue não dando muita importância ao livro, até que deu a hora de sair do trabalho e eu cheguei em casa. Tenho uma sobrinha de 7 anos que está aprendendo a ler e que sempre gosta de ver o que chega para mim, e como o livro fazia parte do catálogo infantil da editora, perguntei se ela queria vê-lo e ela disse que sim.

 Abri "A Parte Que Falta encontra O Grande O" e, como minha sobrinha não demonstrou querer ler sozinha, comecei a ler para ela. E já nas primeiras páginas foi como se tivesse levado um choque ao ver como aqueles traços simples e pequenas frases expressavam tão bem tudo o que já vivi, enquanto criança, adolescente e mulher. Já tentei tanto "ser mais vistosa" para chamar atenção e ser encontrada para me encaixar. Já tentei me encaixar em lugares onde eu não cabia. Já achei que havia me encaixado mas acabei crescendo demais e sobrando... Também já fui cheia de partes que faltam e tentei mas não soube como encaixar as partes que encontrava.

 "A Parte Que Falta encontra O Grande O" é um livro que traz verdades, com o qual me identifiquei muito durante a leitura. É como se o autor usasse de um desenho muito simples como uma metáfora pras situações que todo mundo enfrenta na vida. Essa identificação com a leitura, essa compreensão, é sensacional, mas também poder ser algo emocionante ou doloroso dependendo das lembranças que despertar no leitor.

 Assim como "O Pequeno Príncipe" ou "Alice nos País das Maravilhas", esse é um livro onde a mesma história passa mensagens para o público adulto e para o público infantil. E eu terminei a leitura com um desejo enorme de que a minha sobrinha leve a mensagem desse livro pra vida dela e saiba identificar as armadilhas que querem prendê-la só como uma parte que falta. O Grande O abriu os olhos da Parte Que Falta pra possibilidade de ser muito mais do que só uma parte a espera do restante, pra possibilidade de ir além. Encontrar e identificar "Grande Os", pessoas que não querem nem precisam de nada da gente, mas que podem ser companheiros de jornada, também é uma dádiva.

A-Parte-Que-Falta-encontra-O-Grande-O, Shel-Silverstein
A-Parte-Que-Falta-encontra-O-Grande-O, Shel-Silverstein
A parte que falta se sentou sozinha...
A-Parte-Que-Falta-encontra-O-Grande-O, Shel-Silverstein
à espera de que alguém aparecesse e a levasse a algum lugar

 Essa edição da Companhia das Letrinhas tem capa dura, páginas brancas, letras relativamente grandes, boa revisão e ilustrações muito simples, mas fiquei com a sensação de que o tempo de ler, observar e virar cada página é o tempo exato para compreender a mensagem e ser tocado por ela.

 Não subestimem "A Parte Que Falta encontra O Grande O" como eu subestimei. Foi um livro que me surpreendeu e que eu recomento muito, daqueles para se ler e reler inúmeras vezes. Agora pretendo ler também o primeiro livro, e encerro a resenha agradecendo muito à Companhia das Letras por ter me proporcionado essa leitura tão marcante.

 Detalhes: 120 páginas, ISBN-13: 9788574068268, Skoob. Compre na Amazon:

 Por hoje é só, espero que tenham gostado do post. Me contem: já conheciam o livro ou o autor? Também já foram surpreendidos por um livro?
* Clique aqui e saiba como participar do Top Comentarista de Maio.

Ps.: tem sorteio valendo livro da DarkSide, clique aqui para participar.

 Clique aqui e participe de todos os sorteios que estão rolando no blog.

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

Unboxing: livros comprados na Amazon no Dia Mundial do Livro

 Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje venho mostrar os livros que comprei na Amazon no Dia Mundial do Livro, 23 de abril. Eles chegaram há alguns dias já, mas só hoje consegui postar. Apertem o play ou continuem lendo:

 Como comento no vídeo, nem ia comprar nada, mas quando vi que "Golem e o Gênio" da Helene Wecker publicado pela Darkside estava na oferta relâmpago, não resisti. Esse livro nunca entra em promoção, e olha que eu já estava de olho nele há anos!

Finalmente adquiri meu exemplar do #livro Golem e o Gênio da #HeleneWecker ❤. Ele estava na oferta relâmpago da Amazon e foi um dos que comprei na promoção do Dia Mundial do Livro, logo terá vídeo no canal mostrando todos. . 📚Sinopse: Chava é uma golem, criatura feita de barro, trazida à vida por um estranho rabino envolvido com os estudos alquímicos da cabala. Ahmad é um gênio, ser feito de fogo, nascido no deserto sírio, preso em uma antiga garrafa de cobre por um beduíno, séculos atrás. Atraídos pelo destino à parte mais pobre de uma Manhattan construída por imigrantes, Ahmad e Chava se tornam improváveis amigos e companheiros de alma, desafiando suas naturezas opostas. Até a noite em que um terrível incidente os separa. Mas uma poderosa ameaça vai reuni-los novamente, colocando em risco suas existências e obrigando-os a fazer uma escolha definitiva.
Uma publicação compartilhada por Maria - Pétalas de Liberdade (@marijleite) em

 Comprei também um romance da Cecelia Ahern publicado pela Novo Conceito: "Como Se Apaixonar", que eu também já queria há anos por trazer a temática do suicídio, um kit com dois livros da Karin Slaughter ("Esposa Perfeita" e "Flores Partidas") por estar querendo ler mais livros do gênero e pelo preço estar muito bom (Gente, sério! Fiquem de olho nos kits da HarperCollins Brasil, eles vivem em promoções sensacionais) e Trilogia Irmãos Wolfe do Markus Zusak que eu também já queria há algum tempo: "O azarão", "Bom de briga" e "A garota que eu quero" (os dois primeiros foram publicados pela Editora Bertrand e o último pela Intrínseca).

 Caso alguém tenha ficado curioso, eis a sinopse de O Azarão:

Antes de tornar-se mundialmente conhecido, Markus Zusak escreveu uma trilogia de sucesso. O primeiro título chama-se O Azarão. Fãs de A menina que roubava livros não podem deixar de ler os romances que inciaram a carreira estelar desse autor. Narrado em primeira pessoa, o livro apresenta a história de Cameron Wolfe, um garoto de 15 anos, perdido na vida e que vive às turras com a família. Trabalha com o pai encanador e sua mãe está sempre brigando com os filhos, na pequena casa onde todos moram juntos. Steve é o mais velho e mais bem-sucedido. Sarah é a segunda, e está sempre dando uns amassos com o namorado. Rube é o terceiro e o mais próximo de Cameron. Os dois, além de boxeadores amadores, vivem armando esquemas para roubar lojas e outros locais do tipo. Contudo, os planos nunca saem do papel. Uma história sobre a vida e sobre as lições que dela podem ser tiradas. Um romance de formação que exibe um jovem incorrigível, infeliz consigo mesmo e com sua vida. - "Tento ser humano em minha escrita. Comecei a escrever porque era o caminho natural. Durante o ensino médio eu era muito introvertido. Sempre tinha histórias na cabeça. Então comecei a escrevê-las." - Markus Zusak

 Por hoje é só, espero que tenham gostado do post. Me contem: já leram ou querem ler algum desses livros? Compraram algo nessa promoção também?

* Clique aqui e saiba como participar do Top Comentarista de Maio.

Ps.: tem sorteio valendo livro da DarkSide, clique aqui para participar.

 Clique aqui e participe de todos os sorteios que estão rolando no blog.

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:
Topo