Resenha: livro "Eles não usam black-tie", Gianfrancesco Guarnieri

 Olá pessoal, tudo bem? Na resenha de hoje venho comentar sobre minha experiência de leitura com o livro "Eles não usam black-tie", escrito pelo Gianfrancesco Guarnieri, lido na trigésima segunda edição publicada pela Civilização Brasileira em 2017.

Eles-não-usam-black-tie, Gianfrancesco-Guarnieri, resumo, sinopse, opiniao, trecho, roteiro

 O livro traz o roteiro da peça teatral que foi encenada pela primeira vez em 1958, adaptada para o cinema, e é uma das histórias de maior sucesso do teatro nacional. Conhecemos Tião, que, como o pai, Otávio, é um operário. Só que, enquanto o pai apoia às greves por salários melhores, Tião, que está noivo de Maria, acha que as manifestações de nada adiantam. Romana é a matriarca da família que mora no morro, e tem como outro membro o garoto Chiquinho, de quem Terezinha não desgruda. Acompanhamos basicamente as incertezas de Tião de participar ou não da próxima greve, onde a não participação o faria ser mal visto no morro, morro que ele não ama como outros que ali vivem, talvez por ter passado parte da vida como uma espécie de empregado infantil na casa dos padrinhos.

"TIÃO - Perto tá o barraco da Zéfa. Foi em cana, hoje. Carmelo matô o Bodinho...
 MARIA - Não fala em tristeza.
 TIÃO - São tristeza do morro.
 MARIA - Na cidade é pió... Só que ninguém se conhece..." (página 72)

 Lendo o texto, pude perceber os motivos de a peça ter marcado época. Apesar de as descrições dos cenários serem mínimas, através dos diálogos é possível visualizar muito bem os personagens, seus jeitos de ser e sentimentos, eles foram muito bem construídos, vívidos. A trama fala sobre assuntos muito pertinentes até os dias de hoje, como as greves, as relações entre patrões e empregados, a vida dura na favela.

"ROMANA (entra esbaforida) - Mais um pra sofrê! A Cândida do 36 vai dá à luz!...
OTÁVIO - O morro tá em festa, hoje...
ROMANA - Qual festa! A mulhé tá berrando que nem uma bezerra. Pra mim é mais que um. Aquilo é gêmeo no mínimo!
 OTÁVIO - Então isso não é motivo pra festa, D. Romana?
 ROMANA - Pra tu pode sê, que não vai tê que sustentá... Eu sou que nem japonês: morreu faz festa, nasceu desata a chorá!" (página 43)

 São comoventes as dificuldades financeiras pelas quais Romana e Otávio passavam, dificuldades que Tião não queria ter que obrigar Maria a enfrentar também. Mas se temos essa parte mais dura, Chiquinho e Terezinha, trazem certo alívio cômico para a obra, Chiquinho até foi meu personagem favorito.

"ROMANA - E se eu soubé que tu anda metido com aquela gente, tu vai apanhá como nunca apanhou!
CHIQUINHO - Puxa, mãe! É por isso que a senhora tá sempre cansada, vive me prometendo pancada!
ROMANA (rindo) - Também tu vive se metendo onde não deve. Toma o café anda. (Pega um pedaço de pão da gaveta.) E come esse pão!
CHIQUINHO - Tá duro, mãe!
ROMANA - Deixa de luxo e dá graças a Deus! Pão melhor só no almoço e se a greve der certo, porque se não. . ." (página 82)

Eles-não-usam-black-tie, Gianfrancesco-Guarnieri

Resenha, livro, Eles não usam black-tie, Gianfrancesco Guarnieri, trecho

 A edição da Civilização Brasileira tem uma capa condizente com a obra, páginas amareladas, diagramação com letras, margens e espaçamento de bom tamanho, e boa revisão.

 Detalhes: Skoob, 112 páginas. Compre online na AmazonClique e compare preços no Buscapé.

 Fica a minha recomendação de leitura para quem procura bons roteiros que não deixam a desejar se comparados com romances, com personagens bem construídos e temas importantes que certamente trarão alguma reflexão ao leitor. Vale a pena ler "Eles não usam black-tie"! Por hoje é só, espero que tenham gostado da resenha? Me contem: já conheciam o livro, a peça, o filme ou o autor?

Até o próximo post!

Me acompanhe nas redes sociais:

26 comentários

  1. Gostei da sua resenha e fiquei curiosa.

    Bjs.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Oiee
    Eu estava mesmo achando o título conhecido... com certeza é pelo fato de ter um filme, na verdade eu nem sabia que era um livro.
    A trama retrata uma época muito complicada para o trabalhador brasileiro, não que hoje não seja complicado também, mas digamos que nos dias de hoje o povo está mais acomodado.
    Parece ser uma ótima trama.

    Bjs, Vanvan.

    ResponderExcluir
  3. Oi Mari.
    Não gosto muito ler livros desse tipo de escrita, de roteiro de peça de teatral.
    Mas, a premissa em sim é muito interessante. O trabalhador brasileiro sofre e já sofreu muito por causa das condições de trabalhos, na esperança de conseguir uma melhor qualidade de vida. Esse livro trata de temas importantes até o dia de hoje.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    O livro parece ser bacana, mas não curto mto o gênero, pra quem gosta do tema a leitura deve ser boa.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Oi Maria!
    Apesar de já conhece o título, não sabia que se tratava de uma peça teatral, acho que é porque foge bem do que costumo ler/assistir. O livro parece mesmo bem construído, e não me lembro de ler nada que mostrasse a realidade dos morros... Gostei, vou colocar na lista de leituras.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Essa resenha teve gostinho de nostalgia. Eu li esse livro pela primeira vez quando tinha uns 16 anos e relembrei muita coisa aqui na postagem, mas não sabia que era uma peça ou mesmo que teve um filme, fiquei curiosa vou anotar estas dicas.

    Beijos
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Acho que mesmo livro tendo poucas páginas eu não vou me arriscar muito na leitura eu não gostei muito do contexto do livro e acha que se eu começar a ler eu vou acabar abandonando ele assim que começar

    ResponderExcluir
  8. Gente, um livro tão famoso e eu nunca ouvi falar?
    Por ser peça teatral realmente quase não dá descrição do lugar, mas dependendo de como é escrito a gente nem precisa.
    Parece super interessante e bem diferente das leituras que estou acostumada a fazer.

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  9. Mari!
    Já tive oportunidade de assistir a peça teatral há tanto tempo atrás que já nem lembro mais.
    Gostaria de poder fazer a leitura do livro, afinal, sou admiradora do finado Gianfrancesco Guarnieri, bem como de seus filhos também.
    É um clássico.
    Uma semana abençoada!
    “Acredite na justiça, mas não a que emana dos demais e sim na tua própria.” (Código Samurai)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bom?

    Eu já conhecia essa obra, apesar de nunca ter lido. Percebo, agora, a importância que ele teve para época e como ele ainda é atual. A premissa é ótima e só nos dá um tapa na cara e nos mostra como que, em 60 anos, pouca coisa mudou - é só ir nas zonas mais pobres e encontraremos várias Maria, Tião, Otávio e Romana por ali.
    Por outro lado, apesar de eu não ter o costume de ler peças, esta pode ser uma ótima para sair da minha zona de conforto. É uma grande oportunidade, também, de assistir ao filme (que eu ainda não vi).

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. NOssa eu assisti esse filme a milenios e não me lembrada de ser uma historia interessante assim, muito menos que se ambientava aqui. Bom mas ler peça pra mim seria novo não se iria gostar. Conforme a historia vai sendo contada deve dar uma nostalgia pelos fatos narrados ou situações vividas por pessoas daquela epoca.

    ResponderExcluir
  12. Estranho ler uma história desta forma mas concordo que a questão de ser encenada apesar de não mostrar cenário dá um jeito lindo nos diálogos principalmente na forma como eles são descritos.

    ResponderExcluir
  13. Já havia ouvido falar dessa peça, mas livros de peças eu não gosto muito de ler. Pode ser implicância minha mas, não consigo.
    Ler Rei Lear foi um suplicio... Talvez eu tenha começado com o pé esquerdo... rs
    Entretanto adorei sua resenha! Muito bem escrita! Parabéns!


    Beijinhos!

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com

    ResponderExcluir
  14. Eu li esse livro a tanto tempo pra faculdade que acabei esquecendo completamente da história, lembro que foi uma leitura bastante válida e que me marcou bastante, essa edição tá linda, adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Parece ser uma história bem rica de detalhes e feita com extrema sensibilidade.
    Fiquei com vontade de conhecer mais dessa obra.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Já assisti ao filme! Faz bastante tempo, mas lembro bem. Só não sabia que foi o Gianfrancesco Guarnieri quem escreveu. Gostava muito desse ator/autor.
    Bjos!
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  17. Olá,

    Em algum momento de minha vida ouvi falar nesse livro, só não consigo me lembrar de quando. Enfim, gostei das considerações e fiquei curiosa para conhecer essa história que para você foi tão bem construída.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    Que resenha interessante... confesso que gostei das suas impressões, mas infelizmente, apesar das poucas páginas, não é um livro que eu me arriscaria a ler por não fazer em nada o meu estilo de leitura :/ mas valeu pela dica!

    beijos
    http://www.livrosetalgroup.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  19. Essa peça é um clássico. Li muitas peças teatrais na época da faculdade. Entre as mais atuais, as que mais gostei foram "Gota d'água" e "Vestido de noiva". "Eles não usam black-tie" ainda não li, mas confesso que tenho muito interesse, pretendo ler algum dia. Adorei a dica.

    Tatiana

    ResponderExcluir
  20. Oii tudo bem??

    Então adoro livros escritos como roteiro para teatro, a leitura flui, gosto bastante.
    Apesar de conhecer o titulo não conhecia a história e fiquei bem curiosa.
    Adorei a resenha.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  21. Olá
    Nossa ele é pequeninho, mas não gosto muito de livros tipo teatro sabe, acho cansativo. Não conheço o filme, mas vou procurar.
    Beijuh

    ResponderExcluir
  22. Não conhecia o livro e nem a adaptação para o cinema, mas fiquei curiosa, principalmente por descrever as dificuldades do trabalhador, coisa bem comum a qualquer época, não é mesmo. Espero poder ler em breve.
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Olá, tudo bem?
    Eu já assisti a adaptação para o cinema e, por isso, não fiquei curiosa para ler o livro. Na verdade, eu nem sabia que tinha o livro, mas achei o filme tão monótono que não tenho ânimo para ler a obra.
    De qualquer forma, apesar de ser uma leitura que não me atrai, gostei da resenha e concordo que os temas abordados são relevantes até mesmo atualmente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  24. Olá, tudo bom?
    Em épocas de reforma trabalhista que está acabando com o respaldo jurídico ao trabalhador, livros como esse são super necessários. Fiquei bem curiosa para conferir, ainda que não tenha muitas descrições e ambientações. Ótima resenha e indicação!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  25. Olá, tudo bem?
    Já li algumas peças, mas não amo de paixão e nem tenho vontade de ler outras, sabe? Fico contente que esse livro seja interessante para fãs do gênero, mas, vou passar a dica, pois não faz muito meu estilo de leitura.
    Eu gostei muito dos trechos que você citou, mas vou passar a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Oi.
    Eu não conhecia a obra, nem a peça, o filme ou o roteiro.
    Mas realmente parece ser uma obra que traz reflexões muito importantes e atuais e gostei muito da forma que ela trata esses assuntos.
    Adorei a dica e pretendo conferir.
    Beijos.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar :)!!! Sua opinião é muito importante para mim. Tem um blog? Deixe seu link que visitarei sempre que possível.
*comentários ofensivos serão apagados

Topo